Assine e navegue sem anúncios [+]

Motorista que matou casal de noivos em acidente vai a júri popular


Rafael Machado - Grupo Folha
Rafael Machado - Grupo Folha

O plano de formar uma família, construído ao longo de muitos anos, foi destruído em poucos segundos. Esse foi o trágico destino do sonho de Gregory Hyus Lima de Oliveira, 24 anos, e Daniela Aparecida Rodrigues Morais, 22, na noite de 8 de setembro de 2018. O que mais o casal fazia era pensar no casamento, mas esse desejo foi ceifado em um acidente de trânsito na BR-369, entre Cambé e Rolândia. A moto onde eles estavam foi atingida na traseira por um Peugeot que trafegava a mais de 100 km/h, acima da velocidade permitida na rodovia, que é de 70 km/h, como apontou a perícia do Instituto de Criminalística. 


 

Motorista que matou casal de noivos em acidente vai a júri popular
Reprodução/Facebook
 





Daniela, que pilotava a moto, e Gregory, na garupa, foram arremessados vários metros do local exato da batida e morreram na hora. Na semana passada, surgiu um novo capítulo nesta história. A Justiça determinou que o futuro de Renan Eduardo Irmer, o condutor do Peugeot, e do amigo dele, também envolvido na corrida irregular, será definido em júri popular. A decisão é da juíza criminal de Cambé, Jéssica Valeria Catabriga Guarnier. O julgamento ainda não foi marcado. 


Racha


As investigações da Polícia Civil revelaram um fato que causou ainda mais espanto nas famílias das vítimas. O motorista participava de um racha e fugiu sem prestar nenhum socorro. Para piorar, ele dirigia com a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) vencida desde fevereiro de 2017, ou seja, há mais de um ano e meio.


Com base no inquérito, o Ministério Público disse que Renan tinha bebido antes de conduzir o veículo, o que motivou a denúncia por embriaguez ao volante, além de outros crimes. Durante as audiências, o jovem negou ter ingerido bebida alcoólica. "Não participei de racha. Não me lembro de muita coisa depois da batida", disse ao ser interrogado pela magistrada. Ao longo do processo, tanto ele quanto o colega não chegaram a ser presos, condição mantida na sentença judicial. 


Crimes diferentes


Diante do Tribunal do Júri, Renan e o amigo podem ser responsabilizados por crimes diferentes. O motorista será julgado por embriaguez ao volante, omissão de socorro, participar de disputa automobilística em via pública e homicídio com dolo eventual, o mais grave de todos. 

A juíza considerou as provas, como o fato de dirigir embriagado, e definiu que o rapaz "assumiu o risco da morte" do casal. O segundo acusado deve responder por omissão de socorro, participar de racha e deixar de prestar imediato socorro à vítima. 


Os advogados


O advogado Mauro Valdevino da Silva, que defende Renan Irmer, informou à FOLHA que não vai se manifestar porque ainda não foi intimado. A reportagem não conseguiu contato com a defesa do colega dele. Em nota, o advogado dos parentes de Gregory e Daniela, Alessandro Rodrigues, comemorou o desdobramento do caso. 


"A decisão da juíza de Cambé foi acertada. As provas do processo indicam muito mais que mera negligência ou imprudência por parte dos acusados. De fato, ambos os réus, ao disputarem racha em altíssima velocidade e dirigirem embriagados voltando de uma festa, assumiram o risco de matar Daniela e Gregory, destruindo os sonhos não só deles, mas também de todos os amigos e familiares. Os familiares esperam ansiosamente pelo julgamento e condenação dos réus no Tribunal do Júri."


Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo