Itu,, SP, 01 (AE) - O delegado de Itu (SP), Moacir Rodrigues de Mendonça, decidiu indiciar em inquérito o motorista Flávio Campos Verde, de Salto, acusado de tentar extorquir R$ 150 mil do monsenhor Antônio Benedito Spoladori, pároco da matriz local, a pretexto de não divulgar uma fita de vídeo contendo supostas cenas de sexo entre o padre e dois rapazes de 17 anos. A tentativa de extorsão foi gravada pelo padre, que entregou a fita ao delegado. O monsenhor está sendo acusado de corrupção de menores pelas famílias dos rapazes. A queixa foi registrada no último dia 18, no 23º Distrito Policial de Perdizes, na capital. Segundo Fernando de Oliveira Peixoto, pai de um dos garotos, o padre os contratara para ajudá-los em serviços da igreja, mas os obrigava a praticarem sexo oral e anal com ele. As relações aconteciam também numa casa de praia, em Itanhaém, litoral sul do Estado, e foram gravadas em vídeo pelo motorista.
Segundo o delegado, de posse da fita, Verde passou a chantagear o padre, ameaçando entregá-la à TV Record, da capital
pertencente ao bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus. O monsenhor, que responde por outras nove igrejas e capelas de Itu, está em local ignorado desde que deixou a paróquia, na segunda-feira. Ele disse ao delegado que desconhecia o conteúdo da fita de vídeo, mas confirmou que levou os dois rapazes a Itanhaém, a pedido do motorista, durante as festas do fim de ano.
Na casa, Verde e os dois amigos trouxeram algo para beber e, após ingerir a bebida, o padre ficou zonzo, não se lembrando do que ocorreu. O delegado, disse que, independente das acusações contra o padre, o crime de extorsão ficou caracterizado na gravação. Verde deverá ser interrogado ainda esta semana. Ele só vai se manifestar depois desse depoimento.
O bispo de Jundiaí, dom Amaury Castanho, reuniu-se com o Conselho de Presbíteros e deve definir amanhã (02) o destino do padre Antônio. É provável que ele seja afastado das funções de pároco.