Campos do Jordão, SP, 04 (AE) - O prefeito de Campos do Jordão, Oswaldo Gomes da Silva Filho, decretou hoje (04) estado de calamidade pública no município. Por volta das 14h30 um morro no bairro de Vila Santo Antônio desmoronou, destruindo cerca de 15 casas. Ainda não há estimativa sobre o número de mortos ou feridos. A chuva continua na Serra da Mantiqueira e aumenta os riscos das operações de socorro.
Até a manhã pelo menos duas pessoas haviam morrido soterradas."A situação é caótica e grave", disse o prefeito. Cerca de 100 funcionários da prefeitura, com ajuda dos Bombeiros e voluntários da Defesa Civil trabalham no resgate das vítimas. As chuvas minaram a resistência da encosta de mais de 100 metros de altura, onde várias casas haviam sido construídas. A avalanche arrastou as construções e soterrou as que estavam na parte baixa da vila. A Defesa Civil vinha trabalhando para remover os moradores do local, mas boa parte resistia . O secretário de obras, Rubens Leme Júnior, faz apelos transmitidos pelas rádios da cidades pedindo que as pessoas deixem as áreas de risco.
O local do acidente fica próximo ao Palácio Boa Vista, residência de veraneio do governo do Estado. Há risco de novos desmoronamentos no morro, que podem atingir outras áreas densamente habitadas, como o bairro Britador e Vila Andorinhas. A prefeitura de Campos do Jordão está pedindo auxílio a todas as outras cidades próximas e doação de mantimentos, gêneros de primeira necessidades como roupas e medicamentos, colchões e cobertores. É grande o número de crianças que se encontram nos abrigos municipais precisando de fraldas e leite.
O prefeito Osvaldo Gomes havia decretado estado de calamidade pública poucas horas antes da tragédia. As prefeituras da região estão se mobilizando para enviar reforços à Defesa Civil, maquinários e caminhões que possam auxiliar no resgate.
As chuvas que caem na Serra da Mantiqueira desde o dia 31 de dezembro aumentaram na madrugada de hoje. Há dezenas de pontos sob risco de desabamento e as famílias estão sendo obrigadas a abandonar suas casas. Até o começo da tarde havia 750 pessoas desabrigadas. Homens do Exército e da Defesa Civil estão removendo moradores dos bairros de Vila Santo Antônio e Britador. As pessoas serão levadas para escolas públicas e ginásio de esportes. Os postos da Defesa Civil e os bombeiros só estão atendendo os casos urgentes. Os voluntários e os militares não conseguiram resgatar o corpo da mulher soterrado na madrugada, no bairro Britador, na região central da cidade.
No final da manhã a polícia identificou as vítimas fatais. O cabelereiro Claudio de Oliveira, de 34 anos, e Maria Aparecida dos Santos, de 56 anos. No momento que foram soterrados, Oliveira ajudava a vizinha. Segundo a Defesa Civil, outras três pessoas que moram nas proximidades do acidente estão desaparecidas.
Chuva - Nos três primeiros dias do ano choveu no município 237 milímetros, o que corresponde à média pluviométrica de 90 dias. A estrada Floriano Rodrigues Pinheiro (SP-123), que liga Taubaté a estância, está com queda de barreira no trecho de serra.As operações de emergência na estância receberam o reforço dos soldados da unidade do Exército de Pindamonhangaba. No bairro da Pedra Mármore, 15 famílias estão ilhadas desde o último domingo.
O Parque Estadual de Campos do Jordão, da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, está isolado desde a madrugada, sem energia elétrica e com suas barragens ameaçando romper a qualquer momento. A estrada que leva ao local foi tomada pelas águas do Rio Sapucaí e apresenta queda de três grandes barreiras.
O diretor da reserva ambiental, João Evangelista de Melo Neto, disse que toda água das chuvas concentrada na área do parque e em parte de Campos do Jordão seguirá para a região de Itajubá, no sul de Minas Gerais. A maioria dos rios que abastecem essa porção sul do Estado, que está sendo castigado pelas inundações, nasce no parque.