Rio, 06 (AE) - O Comando Militar do Leste (CML) informou hoje à tarde, em nota oficial, que o Ministério Público Militar indicou a promotora Ione de Souza Cruz Mesquita para acompanhar o inquérito policial-militar (IPM) aberto com o objetivo de apurar a agressão a jornalistas no Forte de Copacabana, no Rio, ocorrida na noite da véspera de ano-novo.
Na ocasião, dois repórteres-fotográficos foram espancados e detidos por oficiais da Polícia do Exército (PE) e tiveram os equipamentos danificados. Os repórteres afirmam que foram espancados. O atrito aconteceu quando fotógrafos tentaram registrar a queda de parte da estrutura da tenda onde acontecia a recepção promovida pela prefeitura para o presidente Fernando Henrique Cardoso.
O jornalista Fernando Bizerra Júnior, de 21 anos, do "Jornal do Brasil", diz que os soldados tentaram arrancar a máquina dele. Como reagiu, Bizerra Júnior foi imobilizado e levado para uma sala onde, segundo a versão dele, foi xingado e chutado. Credenciada pela Editora Abril, a repórter-fotográfica Sheila Chagas também foi levada para o lugar onde estava Bizerra Júnior. Os dois profissionais só conseguiram sair do local após a chegada do coordenador de Comunicação do prefeito Luiz Paulo Conde (PFL), Luiz Alberto Bittencourt.