Washington, 01 (AE-ANSA) - O menino de 6 anos que matou uma colega, também de 6 anos, com um tiro, ontem (29), em uma classe de aula havia brigado no dia anterior com a vítima no playground da escola.
O garoto entrou na classe com uma pistola calibre 32 escondida em um dos bolsos de sua calça, certamente para se vingar. O menino encontrou a arma, que era roubada, na casa de seu tio, que foi detido pela polícia.
O homicídio da pequena Kayla Rolland comoveu a comunidade rural de Mount Morris (em Michigan) assim como todo o resto dos Estados Unidos. Mas o pequeno assassino não será incriminado. "Ele é demasiadamente jovem para compreender a gravidade do que fez", explicou o promotor do distrito, Arthur Busch. "Ele também é uma vítima. A responsabilidade é dos adultos que o rodeiam".
Sem pai (preso por roubo) e sem casa (sua mãe foi desalojada)
o pequeno vivia com seu tio Marcus Winfrey e outras seis pessoas em condições lamentáveis.
"Ele não tinha uma cama para dormir", contaram policiais. "As janelas estavam tapadas com madeiras. Na casa havia um tráfico intenso de drogas e de pessoas estranhas".
Na escola, o menino era considerado quase um marginal: sempre brigava com seus colegas e a briga com a pequena Kayla não pareceu diferente das outras.
Hoje, a polícia investigou a casa do garoto, encontrando duas outras armas roubadas. O tio do menino foi detido e incriminado por porte de armas e drogas.
O garoto, cujo nome não foi divulgado, foi entregue a assistentes sociais. "Depois do interrogatório ele começou a desenhar tranquilamente. Ele se comporta como se o assassinato não fora realidade, mas apenas um filme visto pela televisão".