São Paulo, 26 (AE) - A vereadora Maria Helena (PL) foi intimada hoje a depor à Comissão Processante da Câmara de São Paulo que analisa a cassação de seu mandato na sexta-feira, dia 3, às 9h30. O anúncio foi feito em sessão relâmpago da comissão. Inicialmente, estavam previstos os depoimentos das testemunhas de acusação, mas uma liminar do juiz Fernando Nifhi, da 10.ª Vara da Fazenda Pública, expedida na noite de ontem (25), suspendeu o interrogatório.
O presidente da comissão, vereador Paulo Frange (PTB), anunciou a decisão de recorrer à Justiça para cassar a liminar. Na prática, no entanto, para que sejam respeitados todos os prazos regimentais, Maria Helena deve prestar depoimento mesmo na sexta-feira - antes das testemunhas.
Diante da hipótese de a defesa da vereadora apresentar outro atestado médico para não permitir sua presença, Frange afirmou que a comissão pretende solicitar uma perícia médica. "Ou, se for necessário, podemos ir até a casa da vereadora para ouvi-la."
O advogado de Maria Helena, Laertes Torrens, apresentou à Câmara um atestado médico segundo o qual a vereadora tem "labirintite, hipertensão, edema de laringe e sídrome vertiginosa". Acusada de corrupção e de coagir testemunhas durante a investigação da máfia dos fiscais, Maria Helena passou 64 dias presa no 89.º DP.