|
  • Bitcoin 104.016
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 19/06/2022, 20:18

Mais um homem confessa ter matado Bruno e Dom

De acordo com a perícia feita pela Polícia Federal, os dois foram mortos com armas de caça; PF fala em oito suspeitos

PUBLICAÇÃO
domingo, 19 de junho de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Protesto em São Paulo pede justiça por Dom Phillips e Bruno Pereira Protesto em São Paulo pede justiça por Dom Phillips e Bruno Pereira
Protesto em São Paulo pede justiça por Dom Phillips e Bruno Pereira |  Foto: Marcus Leoni/Folhapress
 

Brasília, DF  - Preso no sábado (18) por suspeita de participação nas mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, Jefferson da Silva Lima, conhecido como Pelado da Dinha, confessou ter sido também um dos executores dos assassinatos, de acordo com participantes da investigação ouvidos pela Folha.

Além dele, Amarildo Oliveira – o Pelado – admitiu ter realizado os disparos contra o indigenista e o jornalista. Foi Pelado quem conduziu as equipes de busca ao local onde os corpos foram encontrados, numa mata às margens do rio Itaquaí (AM), na última quarta-feira (15). O terceiro preso é o irmão de Amarildo, Oseney Oliveira, conhecido como Dos Santos. Os investigadores ainda apuram se ele disparou contra Bruno e Dom ou se ajudou na ocultação dos cadáveres.

LEIA MAIS - Servidores da Funai anunciam greve para quinta-feira (23)

A Polícia Federal informou neste domingo (19) que, além dos três presos, outros cinco suspeitos já foram identificados por terem participado da ocultação dos cadáveres de Pereira e Phillips. "O comitê de crise, coordenado pela Polícia Federal do Amazonas, informa que até o momento há três suspeitos presos pela morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips e outras cinco pessoas já foram identificadas por terem participado da ocultação dos cadáveres", diz o comunicado da PF.

De acordo com a perícia feita pela Polícia Federal, os dois foram mortos com armas de caça. O indigenista foi atingido por três tiros, enquanto o jornalista foi morto com um disparo. O exame, realizado pelos peritos da PF, indica que a morte de Dom Phillips foi causada por "traumatismo toracoabdominal por disparo de arma de fogo com munição típica de caça, com múltiplos balins [chumbinhos presentes em cartuchos de espingarda], ocasionando lesões principalmente sediadas na região abdominal e torácica".

LEIA TAMBÉM: Crise financeira da ADA se agrava e animais passam fome

Já a morte de Bruno Pereira foi "causada por traumatismo toracoabdominal e craniano por disparos de arma de fogo com munição típica de caça, com múltiplos balins". A PF diz ainda que, segundo a perícia, o indigenista foi atingido por dois tiros no tórax/abdômen e um outro tiro na face/crânio. Os exames ocorrem em Brasília e a expectativa das autoridades é que os corpos sejam liberados até quarta-feira (22) .

DOM E BRUNO 

Dom era correspondente do jornal The Guardian. Britânico, ele veio para o Brasil em 2007 e viajava frequentemente para a Amazônia para relatar a crise ambiental e suas consequências para as comunidades indígenas e suas terras. O jornalista conheceu Bruno em 2018, durante uma reportagem para o Guardian. A dupla fazia parte de uma expedição de 17 dias pela Terra Indígena Vale do Javari, uma das maiores concentrações de indígenas isolados do mundo.

O interesse em comum aproximou a dupla. Bruno, servidor licenciado da Funai (Fundação Nacional do Índio), era conhecido como um defensor dos povos indígenas e atuante na fiscalização de invasores, como garimpeiros, pescadores e madeireiros. Em entrevista ao UOL, o líder indígena Manoel Chorimpa afirmou que o indigenista estava preocupado com as ameaças de morte que vinha sofrendo.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1