Ancara, 12 (AE-AP) - Atendendo ao pedido de uma corte européia
a coalizão governamental da Turquia decidiu nesta quarta-feira (12) congelar a sentença de morte expedida contra o líder rebelde curdo Abdullah Ocalan.
O Partido da Ação Nacionalista, de extrema-direita, que pressionou pelo enforcamento de Ocalan, concordou em esperar a Corte Européia de Direitos Humanos revisar o apelo do líder rebelde antes de a sentença ser enviada para debate no parlamento da Turquia.
Mas o primeiro-ministro Bulent Ecevit alertou que a execução poderia ser iminente.
"Se a organização rebelde e seus partidários tentarem utilizar este processo contra os interesses do Estado, então o processo de adiamento será interrompido e o processo de execução começará imediatamente", disse Ecevit.
Ecevit alertou que o não atendimento ao pedido da corte européia prejudicaria gravemente as recentemente melhoradas relações com a União Européia (UE).
Antes da reunião de cúpula, aumentaram as especulações de que o assunto poderia levar à ruptura da coalizão governamental de Ecevit, caso o partido de extrema-direita insista em enviar a sentença de Ocalan ao parlamento para aprovação.
O aviso de Ecevit ao grupo rebelde era uma tentativa aparente de acalmar seus parceiros nacionalistas e os parentes das milhares de pessoas que perderam a vida lutando contra os rebeldes, que buscam autonomia no sudeste do país.