EDIMBURGO, Escócia, 02 (AE-AP) -- Os dois líbios acusados de plantar a bomba que derrubou um jato da Pan Am sobre a cidade escocesa de Lockerbie em 1988, causando a morte de 270 pessoas, se declararam inocentes nesta quarta-feira, por meio de seu advogado, durante audiência preliminar realizada na Alta Corte de Justiça de Edimburgo.
Embora o início do julgamento esteja marcado para 3 de maio em uma base militar norte-americana desativada na Holanda, a audiência preliminar foi realizada em Edimburgo porque os réus - Abdel Basset Ali al-Megrahi e Lamen Khalifa Fhimah - disseram que não queriam estar presentes.
Os dois, que estão presos na Holanda à espera do julgamento, foram acusados de assassinato e conspiração com fins de assassinato relacionados à explosão do jato da Pan Am sobre Lockerbie. O atentado, ocorrido em 21 de dezembro de 1988, matou todos os 259 ocupantes do avião e 11 pessoas em terra. Além disso, al-Megrahi e Fhimah foram acusados de violar o Ato de Segurança na Aviação da Grã-Bretanha.
No mês passado, o jornal Scotland on Sunday publicou que a principal testemunha de acusação havia amenizado o teor de seu depoimento. Pelos termos originais, a testemunha assegurara que viu al-Megrahi colocar uma maleta suspeita no carrossel de bagagens do aeroporto de Malta, onde os dois líbios trabalhavam. De acordo com a promotoria, a maleta em questão viajou até Frankfurt e depois, para Londres, onde foi embarcada no avião da Pan Am.
O jornal acrescentou que, ao ser recentemente entrevistada pelos advogados de defesa, a testemunha, identificada como o desertor líbio Abu Maged Jiacha, que vive nos Estados Unidos, disse que viu apenas alguém parecido com al-Megrahi tirar a bagagem do carrossel.
Um funcionário da Justiça escocesa, falando sob condição de anonimato, confirmou a informação do jornal e revelou que os promotores poderão pedir um novo adiamento do julgamento, devido às sérias dificuldades para apresentar seus argumentos.
Desde que a Líbia entregou os suspeitos, em abril de 1999, o julgamento já foi adiado duas vezes, a pedido da defesa.