A escola particular Alfa Centro de Educação Moderna (Alfa CEM), na Freguesia, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, foi condenada pela Justiça, em primeira instância, a pagar 40 salários mínimos por danos morais à mãe de uma criança de oito anos matriculada na instituição por causa de um show de striptease masculino realizado no Dia das Mães deste ano.
Em 12 de maio, o colégio promoveu no ginásio uma ‘‘festa-surpresa’’ para as mamães, com a apresentação de rapazes musculosos que, aos poucos, tiravam a roupa, exibindo seu dotes físicos com chicotes na mão. Na encenação, os ‘‘leopardos’’ entraram com capas pretas, cuspindo labaredas de fogo e encarnando homens primatas, todos vestindo uma tanga transparente na parte traseira.
Na época, a atração dividiu a opinião das homenageadas. Algumas aproveitaram a performance para tirar fotografias e participar das brincadeiras feitas pelos três garotões morenos contratados pela direção.
Não foi o caso da cliente da advogada Cristiana Fernandes Coeli, que pediu para não ter seu nome revelado. Ela entrou na Justiça contra a escola. No último dia 11, a juíza Cláudia Pires dos Santos Ferreira, do 16º Juizado Especial Cível, de Jacarepaguá, condenou a Alfa CEM a pagar a indenização. No despacho, a juíza diz considerar ‘‘inadmissível que uma instituição que se propõe a educar crianças realize uma festa em que homens fantasiados retiram suas roupas, rebolando, e fiquem somente em trajes sumários.’’ Cláudia classificou a festa como um ‘‘show pornográfico’’.
A diretora do Alfa CEM, Maria Cristina Cerqueira e o advogado da escola, Júlio de Carvalho, não foram localizados.