Teerã, 07 (AE-AP) - O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, perdou 1.026 prisioneiros para marcar o fim do mês sagrado muçulmano do Ramadã e o início do Eid al-Fitr, um feriado de três dias, informou a Agência de Notícias da República Islâmica (IRNA) nesta sexta-feira (07).
O perdão durante eventos religiosos e nacionais é comum em países muçulmanos. No Irã, geralmente, os prisioneiros perdoados foram condenados por crimes de menor gravidade.
Hoje é o último do Ramadã no Irã.