Indústrias terão que explicar alta de até 39% nos preços Agência Estado De Brasília A nova pesquisa do Conselho Regional de Farmácias do Distrito Federal sobre preços de medicamentos, que registrou aumentos entre 0,22% e 39,94% para uma lista de 262 produtos, é para o presidente da entidade, Antônio Barbosa, uma prova do descontrole do governo nesse setor. Os números da nova pesquisa foram divulgados ontem. O presidente da CPI dos Medicamentos, deputado Nelson Marchezan (PSDB-RS), disse que vai chamar as indústrias para que expliquem o reajuste. ‘‘Esse comportamento só vem confirmar a importância e a oportunidade da CPI’’, afirmou. A pesquisa aponta uma variação média de 5,02% nos preços dos remédios entre fevereiro e março. O conselho faz mensalmente esse tipo de levantamento, há cinco anos. Segundo Barbosa, não há justificativas para os reajustes verificados na última pesquisa porque algumas substâncias usadas na fabricação dos medicamentos tiveram o custo reduzido em até 40% no mercado internacional. O outro fato estranho, na opinião de Barbosa, é que os aumentos estão ocorrendo mesmo com a CPI dos Medicamentos, que apura preços abusivos dos remédios, estando em plena atividade. ‘‘Isso é uma afronta à comissão’’, avalia Antônio Barbosa.