Agência Estado
De Ribeirão Preto
Com investimentos de R$ 500 mil em estudos realizados nos últimos dois anos, uma indústria de calçados de Franca (SP) deverá colocar no mercado ainda no primeiro semestre deste ano o primeiro calçado que, depois de aterrado, se decompõe em dois anos e transforma-se em adubo.
Serão investidos outros R$ 4,5 milhões no lançamento do projeto, que inclui até a instalação de uma fábrica de solas de borracha e reformulação de curtume, além de uma unidade fabricante de látex puro, sem utilização do poliuretano, material sintético que leva 500 anos para se decompor. A técnica para desenvolver o sapato biodegradável veio da Alemanha.
Segundo o diretor da empresa, Wayner Machado, o couro passará por um tratamento que o livrará de todos os metais pesados, como chumbo, mercúrio e cromo. A partir daí, a armação de couro receberá um solado de látex, que se decompoe facilmente quando aterrado.
A maior preocupação ainda é relativa ao preço final do produto, que deverá ser entre 18% e 20% superior ao tradicional. ‘‘Vamos atender a um nicho de mercado que tem condições de pagar mais caro por um produto que não agrida ao meio ambiente’’, disse.