Incidentes marcam desfile do grupo de acesso A no Rio5/Mar, 15:13 Por Clarissa Thomé e Roberta Pennafort Rio, 5 (AE) - O desfile do grupo de acesso A do carnaval carioca foi marcado por incidentes. Izabel Cristina da Silva, de 15 anos foi atingida por uma bala perdida na coxa direita no Sambódromo na madrugada de hoje. Ela passava perto do portão do setor 11 e se encaminhava para assistir ao desfile da escola de samba Estácio de Sá. E, durante o desfile da Acâdemicos do Cubango, o destaque Luciano Pereira, 27 anos, despencou de uma altura de três metros e quebrou a perna direita. Izabel Cristina contou aos policiais da 6ª Delegacia Policial (Cidade Nova), onde o caso foi registrado, que sentiu uma forte e repentina sensação de calor na perna no momento em que fogos de artifício eram disparados na avenida para anunciar o início do desfile da Estácio de Sá, a quinta escola a passar pela Passarela do Samba, por volta das 2 horas. Ao ver a perna sangrando, ela achou que tivesse sido atingida por alguma faisca, mas, no posto médico do Sambódromo, onde foi atendida inicialmente, constatou-se que ela fora baleada. Em seguida, Izabel foi levada para o Hospital Souza Aguiar, no centro, de onde foi liberada pouco depois. Luciano Pereira, morador de Niterói, no Grande Rio, também foi socorrido pelos médicos do posto do Sambódromo, depois de cair do alto do carro alegórico onde estava. O acidente ocorreu por volta das 4 horas, no meio do desile da Acadêmicos do Cubango, a nona agremiação a se apresentar. Ele disse que se desequilibrou e torceu o pé, e acabou caindo. Encaminhado para o Souza Aguiar e levado em seguida para o Miguel Couto, na zona sul, por falta de ortopedista de plantão no primeiro, ele passa bem. Morte - O cabo da Polícia Militar Francisco da Silva Santos foi assassinado com um tiro na testa no fim do desfile do bloco Barba's, coordenado por Nelson Rodrigues Filho, às 21h30 de sábado. Santos estava lotado no centro de comunicação do quartel general da PM e trabalhava como segurança do bloco, segundo a presidente da associação de moradores de Botafogo, Regina Chiaradia. O cabo Santos teria parado num bar, durante o desfile, e discutido com um homem, de acordo com informações do Serviço Reservado do 2.º Batalhão (Botafogo). Enquanto Santos e o desconhecido brigavam, outro homem passou de bicicleta e atirou na testa do cabo. Santos foi levado para o Hospital Municipal Miguel Couto, onde morreu. Cerca de mil pessoas acompanhavam o Barba's, mas poucos souberam do crime, porque o trajeto do bloco foi desviado. Apesar de o desfile constar da programação oficial do Carnaval de Rua da prefeitura, a Polícia Militar não o acompanhou. Segundo o relações públicas da PM, coronel Nilton Lourenço, a prefeitura não solicitou o policiamento. "Faltou comunicação", alegou. A presidente da associação de moradores reagiu com indignação. "Tem que haver segurança para o folião de rua, mas a prefeitura só se preocupa com o turista no Sambódromo e na Avenida Atlântica", afirmou Regina. No fim de semana passado, um princípio de arrastão, que terminou em tiroteio, estragou a festa dos foliões do bloco Simpatia é Quase Amor, um dos maiores do Rio, que sai nas ruas de Ipanema.