Grande SP será dividida em 5 para análise sobre reabertura


TAYGUARA RIBEIRO
TAYGUARA RIBEIRO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após ser pressionado por prefeitos de Guarulhos e da cidades da região do ABC, o governo de São Paulo, gestão João Doria (PSDB), mudou a forma de análise do plano de reabertura econômica na Grande São Paulo. Agora, a região metropolitana foi dividida em cinco microrregiões para avaliação dos indicadores de contágio do novo coronavírus ou ocupação de leitos de UTIs (unidades de terapia intensiva) por pacientes com a Covid-19.

As análises regionalizadas serão realizadas semanalmente. O anúncio sobre os novos dados e as novas classificações das cidades ocorrerá na próxima quarta-feira (6). Na data, os municípios saberão se poderão iniciar um processo de reabertura do comércio, por exemplo, fechado desde o início da quarentena, em março.



A capital paulista não foi incluída na subdivisão. A cidade de São Paulo, que está em uma faixa laranja (a Grande SP é vermelha), pode começar a definir a partir de segunda-feira como será a reabertura de lojas, shoppings, imobiliárias e concessionárias, entre outros. Bares, restaurantes, salões de beleza e academias de ginásticas ainda não têm autorização para abrir.

Com a medida, as avaliações serão feitas com base nos dados dessas microrregiões, e não mais individualmente por cada cidade, o que poderá facilitar a reabertura de pelo menos parte dos municípios da Grande São Paulo.

Isso ocorre porque para avalizar o início do processo de reabertura de cada local, o governo estadual analisa indicadores como capacidade hospitalar e taxa de avanço do coronavírus. Quando estes dados são avaliados conjuntamente, os números de cidades com um índice ruim se somam ao de cidades com melhores índices.

O prefeito de Guarulhos, Gustavo Henric Costa, o Guti (PSD), firma que qualquer plano de flexibilização em relação à quarentena deve ser discutido em bloco entre os municípios da região metropolitana.

Segundo a administração guarulhense, a insatisfação com o processo de reabertura que vinha sendo conduzido pelo estado foi manifestado em reuniões com secretários estaduais.

Em nota, a Prefeitura de Guarulhos afirma que "é necessária uma flexibilização responsável das regras, que levem em conta os mesmos critérios para todas as cidades, privilegiando a defesa da vida, mas entendendo que se deve avançar na liberação de alguns segmentos comerciais".

Ainda segundo o texto, Guarulhos discute junto ao setor produtivo um plano de liberação faseada de segmentos, "a partir de protocolos de distanciamento e assepsia, que poderá vir a ser implantado dependendo da evolução positiva de índices de isolamento social e oferecimento de leitos de UTI".

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC também questionou o plano de abertura do governo estadual e protocolou, na quinta-feira (28), uma proposta de reconsideração das regras de flexibilização da quarentena.

O grupo reúne as administrações municipais das cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. O pedido do colegiado de prefeitos foi entregue ao secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, em reunião realizada no Palácio dos Bandeirantes.

A retomada controlada das atividades econômicas no estado começa a partir de 1º de junho. Segundo o governo, a subdivisão permite a classificação individualizada das regiões, de acordo com características demográficas e critérios técnicos de saúde, com a capacidade hospitalar para atendimento de casos de Covid-19 e a taxa de avanço de casos e mortes provocadas pelo coronavírus.

"A Grande São Paulo será dividida em cinco regiões por abrigar mais de 22 milhões de habitantes e contar com uma organização de saúde com distribuição de leitos e internação hospitalar própria. Devido ao tamanho e complexidade, além da capacidade e disposição dos prefeitos, cada uma destas cinco regiões será avaliada individualmente", afirmou Doria, em entrevista coletiva na tarde desta sexta.

Na coletiva, o governador negou que tivesse ocorrido qualquer tipo de pressão e afirmou que a decisão foi tomada em comum acordo com os prefeitos dos 38 municípios. "Com essa divisão, será possível ter uma análise ainda mais precisa de critérios técnicos de saúde para classificação apropriada de fases de retomada consciente", acrescentou Doria.

Como fica

As cidades da Região Metropolitana ficam divididas nas seguintes regiões:

NORTE

Caieiras, Cajamar

Francisco Morato

Franco da Rocha

Mairiporã

SUDESTE/ABC

Diadema

Mauá

Ribeirão Pires

Rio Grande da Serra

Santo André

São Bernardo do Campo

São Caetano do Sul

LESTE/ALTO TIETÊ

Arujá

Biritiba-Mirim

Ferraz de Vasconcelos

Guararema

Guarulhos

Itaquaquecetuba

Mogi das Cruzes

Poá

Salesópolis

Santa Isabel]

Suzano

SUDOESTE

Cotia

Embu

Embu-Guaçu

Itapecerica da Serra

Juquitiba

São Lourenço da Serra

Taboão da Serra

Vargem Grande Paulista;

OESTE

Barueri

Carapicuíba

Itapevi

Jandira

Osasco

Pirapora do Bom Jesus

Santana de Parnaíba.

Obs.: A divisão foi feita com base na lei complementar nº 1.139, de junho de 2011, que prevê as redes regionais de Assistência à Saúde na Região Metropolitana, com a especificação das sub-regiões



Fonte: Governo de São Paulo

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:

Últimas notícias

Continue lendo