|
  • Bitcoin 120.340
  • Dólar 5,2070
  • Euro 5,2881
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 24/07/2022, 18:47

Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina

O objetivo do coletivo Cap Style é transformar os muros internos de uma escola social em um grande museu a céu aberto com 20 painéis

PUBLICAÇÃO
domingo, 24 de julho de 2022

Vítor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Vítor Ogawa - Grupo Folha
menu flutuante

O coletivo de grafiteiros Cap Style realizou no fim de semana (23 e 24) a pintura de painéis nos muros do Marista Escola Social Ir Acácio, na zona norte de Londrina. O objetivo da proposta é transformar os muros internos da escola em um grande museu a céu aberto com 20 painéis criados por 20 grafiteiros.

“A arte e a cultura são expressões artísticas que inspiram, e nada melhor do que promover aos nossos estudantes este momento de ver a arte ganhando vida nas cores, e ainda assim olhar a história do Instituto Marista e do próprio bairro onde vivem”, afirma Diego Oliveira de Lima, diretor da Escola Social.

Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina
|  Foto: Vitor Ogawa - Grupo Folha
 

“A gente vem discutindo o papel da escola com a arte de periferia, analisando o aspecto social dentro do currículo da instituição. A ressignificação do espaço com o grafite passa por essa dimensão da arte da periferia. Há também o processo de reconhecimento dos alunos  de reconhecerem a história da zona norte de Londrina, a fundação do bairro e da presença Marista neste bairro, neste momento em que a escola também passa por uma ampliação”, explicou o diretor Até o ano passado a escola comportava 400 alunos e a partir do próximo ano passa a atender 775. 

Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina
|  Foto: Vítor Ogawa - Grupo FOLHA
 

Ele enalteceu que ressignificar o espaço na zona norte garante uma educação de qualidade. “É um conteúdo dialógico não só com os livros, mas dinâmico e que se transforma a cada dia com as pessoas que fazem a educação neste país”, afirmou Lima.

Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina
|  Foto: Vítor Ogawa - Grupo Folha
 

LEIA TAMBÉM:

+  Grafite transforma avenida de Londrina em galeria de arte a céu aberto

IMAGENS DIVERSIFICADAS

Carão Capstyle (Tadeu Roberto Junior) , coordenador do coletivo Cap Style, reforçou que a ideia das pinturas é falar um pouco da história da região e da escola. “As imagens escolhidas estão bem diversificadas. A gente fala sobre a população preta e índia da região, a gente fala da escola, do conhecimento, dos livros, do café e da feira livre na avenida Saul Elkind.” Uma das pinturas reforça também o aspecto de escola de circo da instituição. 

Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina
|  Foto: Vítor Ogawa - Grupo FOLHA
 

“Tem uma história muito grande retratada nestes painéis. Eu posso falar por mim, já que aqui fica a primeira parede externa que pintei. Eu nasci e fui criado no Conjunto João Paz, aqui ao lado, e para voltar e fazer esse painel aqui dentro, organizando este evento do projeto Arte na Escola tem um significado muito importante por conta disso, de ter sido o grafite número um”, declarou o artista. 

RESPEITO E VALOR

Para ele, retornar para o mesmo local em que fez o seu primeiro grafite 22 anos depois foi como ver a evolução dessa arte em Londrina. “Eu vejo que a população começou a assimilar melhor o grafite, pois no começo não tinha discernimento dele ou de qualquer manifestação artística semelhante. Hoje vejo que a população consegue diferenciar uma coisa da outra. Pelo meu trabalho percebo que mudou muito em termos de valor, não o monetário, mas de respeito.”

Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina
|  Foto: Vítor Ogawa - Grupo Folha
 

GRAFITE É ACESSÍVEL

O coordenador do projeto Arte na escola sempre diz aos  alunos que estão começando que o grafite é acessível, tanto para admirar e contemplar, mas também para praticar. “É acessível para todos.  O grafite é o maior movimento artístico mais democrático do mundo. É feito em todos os continentes, e é encontrada em metrópoles como Nova Iorque e também  em cidades pequenas. Em Londrina não é diferente. Aqui é uma cidade de vanguarda artística e tem sempre esta visão. Nós, do coletivo Cap Style, sempre tentamos sempre trazer o Festival de Graffiti e projetos como o Arte na Escola.” 

Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina Imagem ilustrativa da imagem Grafite retrata parte da história da zona norte de Londrina
|  Foto: Vítor Ogawa - Grupo Folha
 

Cada painel foi pintado por um artista. Além de Carão, participam outros membros do coletivo Cap Style: Huggo Rocha, Kenia Kuriki, Napa, Tiago Agu e Alisson Korneta. De fora de Londrina participaram Toddy e Santana, de Cianorte.  "E tem os convidados que a gente sempre faz a seleção entre os inscritos pelo Instagram Arte na Escola", explicou.

***

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1