São Paulo, 01 (AE) - A posição do governo sobre a venda de 20% do controle da Embraer para um grupo de empresas francesas lideradas pela Dassault e Aeroespatiale deverá ser dada ainda este mês, para que a empresa possa se programar diante de novos investimentos. Esta venda levou à demissão do comandante Walter Brauer, da Aeronáutica, contrário à venda, alegando em documento que no futuro o grupo francês poderia assumir o controle da companhia.
Isso já foi contestado pela Embraer, que formalizou explicações ao governo de que vendeu os 20% do controle, sem que ele tenha passado para outras mãos integralmente e que o grupo brasileiro, liderado pelo Bozano, Simonsen, e Fundos de Pensão, é quem controla a Embraer de fato.
A posição final do governo está sendo desenvolvida pela Advocacia Geral da União, e foi acelerada a pedido do próprio governo. A Embraer também espera uma palavra do Conselho Administrativo da Defesa da Economia, o Cade, sobre o mesmo assunto. Enviou uma série de explicações, mostrando que o controle efetivo da empresa é nacional e não foi transferido.