|
  • Bitcoin 124.936
  • Dólar 5,1368
  • Euro 5,3088
Londrina

GERAL

m de leitura Atualizado em 22/07/2022, 16:08

Foto motivou assassinato de Bruno e Dom, diz MP

De acordo com a Procuradoria, três homens foram denunciados por duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 22 de julho de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Brasília - O Ministério Público Federal denunciou três pessoas pelo assassinato do indigenista Bruno Pereira, 41, e do jornalista britânico Dom Phillips, 57, em junho, no Amazonas, nas imediações da terra indígena Vale do Javari. 

De acordo com a Procuradoria, foram denunciados por duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver Amarildo Oliveira (conhecido como Pelado), Oseney de Oliveira (o Dos Santos) e Jefferson da Silva Lima (o Pelado da Dinha). 

O indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips foram assassinados em junho, no Amazonas O indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips foram assassinados em junho, no Amazonas
O indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips foram assassinados em junho, no Amazonas |  Foto: Ronaldo Silva/Furtura Press/Folhapress
 

Bruno e Dom desapareceram em 5 de junho. Ainda segundo o Ministério Público, a denúncia foi recebida pela Subseção Judiciária Federal de Tabatinga (AM), o que torna os três envolvidos em réus. 

LEIA TAMBÉM 

+ Indígenas bloqueiam rota amazônica 

+ Disparos de arma de fogo mataram Bruno e Dom, aponta PF 

O Ministério Público argumenta que Amarildo e Jefferson confessaram os crimes. A participação de Oseney, por sua vez, foi comprovada por depoimentos de testemunhas. 

O órgão afirma ainda que já havia registro de desentendimentos entre Bruno e Amarildo por pesca ilegal no território indígena. 

"O que motivou os assassinatos foi o fato de Bruno ter pedido para Dom fotografar o barco dos acusados, o que é classificado pelo MPF [Ministério Público] como motivo fútil e pode agravar a pena", diz a Procuradoria, em comunicado. 

O Ministério Público também cita que Bruno foi morto com três tiros, sendo um pelas costas, sem possibilidade de defesa, o que também qualifica o crime. 

Dom foi morto, segundo o Ministério Público, "apenas por estar com Bruno, de modo a assegurar a impunidade pelo crime anterior". 

O assassinato de Bruno e Dom envolveu um grupo de pescadores ilegais, que atuam principalmente com pesca do pirarucu, segundo indícios coletados nas investigações. 

O indigenista era um dos responsáveis pelo serviço de vigilância indígena implementado pela Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari). 

Esses vigilantes apontavam diariamente a presença de invasores na terra indígena e nas imediações. Foram esses mesmos indígenas que empreenderam as buscas pelos corpos. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.