Força Aérea confirma para amanhã chegada de Pinochet2/Mar, 17:38 Santiago, 02 (AE-ANSA) - O comandande-em-chefe da Força Aérea do Chile (FACH), general Patrício Ríos, confirmou que "amanhã (03), pouco depois das oito horas locais (11h GMT), o ex-general Augusto Pinochet chegará a Santiago". O ex-ditador chileno retorna a seu país a bordo de um avião tanqueiro da FACH, um Boeing 707, que partiu hoje da Grã-Bretanha, às 13h13 GMT. Ríos confirmou que o avião fará escala na ilha caribenha Ascensão, protetorado britânico, "e dali levantará vôo ao porto de Iquique, 1,815 quilômeteros ao norte de Santiago", para depois partir para a capital chilena. O avião chegará à base aeronáutica onde opera o Grupo 10 da FACH por volta das 8h e dali Pinochet será levado ao Hospital Militar em um helicóptero, segundo confirmaram seus familiares. Estima-se que Pinochet permanecerá no hospital por três dias para ser submetido a exames e que depois irá para sua casa de campo na região de Bucalemu, a 150 quilômetros a oeste de Santiago. Para amanhã, a Fundação Presidente Augusto Pinochet conclamou seus partidários a participar de manifestações de boas-vindas, tanto no aeroporto militar como no hospital. Informou-se que cerca de 150 pessoas, entre eles os comandantes em chefe das Forças Armadas, ex-ministros e colaboradores do regime militar também estarão no aeroporto. Por outro lado, nenhum funcionário do governo chileno assistirá a chegada de Pinochet. O avião tanqueiro foi convertido em um aparelho de transporte. Nele, foram instalados vários equipamentos médicos para o caso de ocorrer qualquer emergência durante o vôo. O avião está sendo pilotado por três oficiais. Treze técnicos completam a tripulação. Além do pessoal médico, viajam também no Boeing 707 a mulher de Pinochet, Lucia Hiriart, seu neto Rodrigo, os advogados Felipe Errázuriz e Miguel Schweitzer, seus escoltas (cujo número não foi definido), os empregados domésticos que estavam em Londres e o general Juan Carlos Salgado, que estava a cargo de toda a "operação Pinochet" na capital britânica e foi responsável também pela "operação retorno".