Fiesp rejeita aumento de impostos para reajustar salário mínimo2/Mar, 16:20 Por Roseli Loturco São Paulo, 02 (AE) - O aumento do salário mínimo será aplaudido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) se a fonte estiver garantida pelo governo e não for feito por meio do aumento de tributos "perversos" da economia. Esta foi a afirmação feita pela manhã pela diretora-titular do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Clarice Seibel. A diretora recorda-se do aumento de 2 % no Cofins, em 1999, em função da elevação do salário mínimo, e acredita que o governo deve avaliar cuidadosamente este assunto, principalmente no que diz respeito aos impactos na Previdência. "Isto é tirar de um bolso e colocar em outro; não resolve; se houver aumento de tributos para justificar a elevação do mínimo, significa que o governo estará enganando o consumidor; agora, não é possível enganar a muitos por muito tempo", alertou Clarice. Ela considerou ainda que o aumento do salário mínimo sobre os custos industriais diretos são relativamente pequenos.