Brasília, 4 (AE) - O presidente Fernando Henrique Cardoso disse também, em entrevista concedida há pouco, ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo, que a partir deste mês as reformas tributária, previdenciária e judiciária serão votadas pelo Congresso Nacional, sem a necessidade do empenho direto do presidente da República. "A sociedade quer as reformas; ela cotaminou o Congresso", justificou. "Um País como o nosso vai ter que ter reforma o tempo todo", acrescentou o presidente. "Aliás, no mundo moderno, reforma é o cotidiano. Ninguém aceita mais o imobilismo, ficar sempre como estava antes. Muda tudo, a tecnologia muda a toda hora. A sociedade muda também".
Partidos - FHC defendeu ainda a reforma partidária para que no futuro possa ser retomada a discussão do parlamentarismo. "O meu partido, PSDB, é parlamentarista, eu votei pelo parlamentarismo, houve uma decisão popular contra o parlamentarismo, isso não pode ser esquecido, é um fato político importante. Agora, para que nós possamos mais tarde imaginar um regime parlamentarista temos que ter partidos", afirmou o presidente, acrescentando que apóia as medidas que estão no Congresso Nacional que fortalecem os partidos e que exigem a fidelidade partidária não permitindo mais as legendas de aluguel. "Isto deve ser feito, eu vou apoiar e acredito que o Congresso fará ainda este ano".