Salvador, 28 (AE)- O arcebispo de Belo Horizonte Dom Serafim Araújo, encabeça a lista das sete personalidades agraciadas, este ano, com o "Oscar Gay", criado há onze anos pelo Grupo Gay da Bahia (GGB) para estimular formadores de opinião a se posicionarem à favor da luta dos homossexuais. Dom Serafim ganhou o título de amigo do GGB por ter declarado que "os homossexuais são filhos de Deus e só Deus pode julgá-los". As palavras foram consideradas marcantes para o Movimento Gay porque, normalmente, a posição da Igreja Católica é de condenação aos homossexuais.
Por ter se declarado à favor da união de duas pessoas do mesmo sexo, o ministro da Justiça José Carlos Dias aparece em segundo lugar na lista que inclui também o presidente Fernando Henrique Cardoso: ele encaminhou para o Hospital de Base de São José do Rio Preto (SP) uma transsexual que iria se submeter a uma operação de mudança de sexo.
Junto com o Oscar Gay, o GGB, oferece também o "Troféu Pau de Sebo" para os inimigos dos homossexuais. Na edição deste ano, a lista é encabeçada pela secretaria de Segurança Pública da Bahia, Kátia Alves que decretou "intolerância zero", aos travestis de Salvador, resultando em centenas de prisões. Tiazinha vem em segundo lugar por ser contrária à presença de homossexuais na televisão. Os gays não esqueceram o ex-técnico do São Paulo, Paulo César Carpegiani que proibiu o goleiro Roger de posar nu para uma regista gay. Todos os premiados receberão pelo Correio, o diploma com o título merecido.