Montevidéu, 01 (AE) - O presidente Fernando Henrique Cardoso negou hoje que o governo brasileiro esteja incentivando a ida de empresas argentinas para o Brasil. "Não nos interessa que a Argentina se desindustrialize", garantiu o presidente em entrevista concedida à rádio uruguaia "El Espectador". Segundo o presidente, o interesse do Brasil é pela prosperidade da Argentina, do Uruguai e do Paraguai.
As denúncias de políticos e empresários argentinos, de que há uma estratégia do governo brasileiro para atrair empresas para o País, se intensificaram depois que o Itamaraty distribuiu
por meio da embaixada brasileira em Buenos Aires, um manual de como investir no Brasil. O governador da província de Buenos Aires, Carlos Ruckaulf, chegou a declarar que não comprará nada de empresas argentinas que se instalem no Brasil e que criará dificuldades para as que decidirem se instalar novamente na Argentina.
Dados divulgados na semana passada pela União Industrial Argentina mostram que depois da desvalorização do real, 28 empresas que estão instaladas na Argentina anunciaram interesse em ir para o Brasil. Das 28, entretanto, 23 são multinacionais. "Não podemos confundir a estratégia de algumas multinacionais com a do governo", reagiu Fernando Henrique, repetindo que não está incentivando a ida de empresas para o Brasil. "Há que se criar condições macroeconômicas para que as coisas melhorem na Argentina."
Hoje, durante a solenidade de posse do novo presidente uruguaio, Jorge Batlle, Fernando Henrique e o presidente argentino, Fernando De la Rúa conversaram rapidamente sobre esse problema. Segundo o presidente argentino, ele e Fernando Henrique "sempre conversam sobre isso porque o Mercosul é para o bem de todos e não para o mal de ninguém". "O Mercosul não é feito para que tiremos empresas de um lado a outro e sim para o desenvolvimentos dos países, cumprindo as normas", acrescentou De La Rúa.