FHC discursa no congresso português8/Mar, 16:20 Por Tânia Monteiro (enviada especial) Lisboa, 08 (AE) - O presidente Fernando Henrique Cardoso foi bastante aplaudido há pouco, após discurso na sessão solene da Assembléia da República Portuguesa que corresponde ao Congresso Nacional. Segundo ele, o Brasil e Portugal repudiam a intolerância política e ética, dentro ou fora de suas fronteiras. "O Brasil que faz questão de situar o respeito à democracia como condição para ingresso ou permanência no Mercosul é inteiramente solidário com a preocupação do governo português em não aceitar o recrudescimento autoritário em solo europeu", afirmou o presidente. "Em Angola, onde se renovam as expectativas de consolidação do processo democrático, é imperativo que a Unita renuncie à luta armada e aceite sem subterfúgio as regras da prática eleitoral", ressaltou Fernando Henrique. O presidente disse ainda que os países de língua portuguesa estão comprometidos em cooperar com a fundação e desenvolvimento do novo Timor Leste e avisou que vai visitar aquele país em breve. Fernando Henrique falou ainda das vantagens e prejuízos da globalização, das ameaças que existem em certos momentos por causa da rápida movimentação de capitais e lembrou que no Brasil isso só não foi catastrófico porque o país soube reagir. O presidente clamou pelo reequilíbrio da arquitetura financeira, e defendeu um estado capaz de corresponder aos desafios e aos interesses da sociedade. Segundo ele, o Estado hoje não pode ser autioritário, tecnocrático e burocártico. "Deve ser um estado poroso, permeável, com interesse da sociedade. O presidente disse ainda que se tornou imperativa a luta pela igualdade, para que não haja tantas diferenças dentro de uma nação.