São Paulo, 07 (AE) - O presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Anésio Abdalla, colaborador do governo na criação das novas regras do crédito imobiliário, explicou que os recursos do FGTS e do Tesouro Nacional deverão financiar os imóveis para a população de baixa renda. Para os financiamentos destinados à classe média serão utilizados os saldos da caderneta de poupança
como já ocorre, e das letras hipotecárias.
O presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Estado de São Paulo (Secovi-SP), Walter Lafemina, disse que a idéia é estimular o financiamento bancário para a casa própria da classe média baixa e média, reduzindo os financiamentos diretos das incorporadoras.
Segundo ele, os financiamentos da Caixa para imóveis de até R$ 60 mil deverão ser fortalecidos para atender ao grande déficit habitacional. Para o empresário, o ambiente é propício até para o SFH financiar a produção com recursos da poupança e para o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) oferecer recursos ao comprador, por meio de fundos de pensões e outros tipos de investimentos.