Assine e navegue sem anúncios [+]

Famílias velam corpos de vítimas de ataque em creche em Saudades (SC)


THAIZA PAULUZE
THAIZA PAULUZE

Saudades, SC - É difícil começar um texto sobre o assassinato brutal de três crianças e duas professoras em Saudades sem falar da saudade que o riso fácil da Keli Adriane Aniecevski, 30, deixará e da falta de ver a Anna Bela, 1, correndo brincando de pique pega pela casa ou da alegria de celebrar a primeira e única filha Sarah Luiza, 1.


O velório coletivo na manhã desta quarta-feira (5) no ginásio esportivo da pequena cidade de 9 mil habitantes tenta não ignorar os protocolos para a Covid-19, embora o abraço e a aglomeração de centenas sejam inevitáveis em meio à dor e ao choque da violência onde até furtos são raros e os rostos são todos conhecidos, mesmo atrás das máscaras.


O ataque à Escola Municipal Infantil Pró-Infância Aquarela nesta quarta (4) vitimou também a agente educativa, Mirla da Costa Renner e o pequeno Murilo Massing, 1. Deixou ferido ainda um menino de 1 ano e 8 meses -ele passou por cirurgia e está internado em estado grave, mas estável, na UTI.


A creche, que recebe crianças de 0 a 3 anos, tinha apenas metade dos alunos por causa pandemia, quando um homem de 18 anos entrou com duas facas e desferiu pelo menos cinco golpes de facão em cada uma das vítimas.


Ele tentou entrar em outras salas, mas professoras conseguiram se trancar e proteger as crianças. Após o ataque, o jovem golpeou o próprio corpo. Internado, passou por cirurgia e está sob custódia, preso em flagrante por quíntuplo homicídio.


A professora Keli Adriane dava aula na creche havia 10 anos. Solteira e sem filhos, seu sonho era lecionar para os pequenos. Também era uma líder do clube de jovens Leo Omega, jogava futebol de salão e aos finais de semana fazia pizza no restaurante de uma amiga, conta o tio Rogério Kipper, 47.


A trave do gol de antes agora é um mural onde lê-se "o céu ganhou anjos lindos. Que a família Saudades pra sempre lembrará. Por mais paz, amor e oração". Os amigos de Mirla, da faculdade de engenharia química, estenderam cartazes onde dizem que irão sentir saudades até das suas broncas.


Na missa, o bispo de Chapecó Dom Odelir verbalizou o que ecoa no ginásio: "A gente imagina que [esse tipo de ataque] é possível nos Estados Unidos, em São Paulo, mas aconteceu na nossa cidade".


"A gente se pergunta 'o que dizer?' Mas estamos aqui juntos tentando de algum modo ajudar essas famílias pra dizer 'vocês não estão sozinhos'", disse ele, que também lembrou das vítimas da Covid-19.


"Assim como as famílias que aqui sofrem, no Brasil são 410 mil famílias que perderam seus entes queridos de forma antecipada." As vítimas serão enterradas no Cemitério Municipal de Saudades.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo