São Paulo, 5 (AE) - O produtor Gerson de Oliveira Junior, ex-funcionário do gabinete da vereadora Maria Helena (PL), confirmou ontem as denúncias à Justiça contra a parlamentar. Em seu depoimento ao Ministério Público Estadual (MPE), disse ter visto Maria Helena dar dinheiro a uma testemunha que depôs em seu favor. Além disso, apresentou comprovantes bancários de saques que teria realizado para entregar parte de seus salários a ela. "Dois funcionários recolhiam os holerites."
A vereadora foi denunciada anteontem à Justiça por formação de quadrilha, peculato - crime de extorsão praticado por funcionário público - e coação de testemunhas. "Mesmo presa, ela é perigosa", disse Oliveira Junior. Segundo ele, o medo de sofrer represálias o levou a "omitir" dados nos depoimentos que prestou no Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) e aos delegados da força-tarefa que investiga a máfia dos fiscais.
"Ela tem contatos desde com policiais até com bandidos", disse. "Se precisar ela mata, sem dó." Ele trabalhou com Maria Helena de 97 a 98 e disse ter contato com ela desde 94 e disse que resolveu falar por estar sendo acusado quando é "vítima". Na denúncia, seu nome está ao lado do de Maria Helena, acusado de formação de quadrilha.
Ele nega participação nas irregularidades. "Sei quem são os funcionários fantasmas do gabinete." Disse que alguns são parentes da vereadora e ela ficava com boa parte dos salários. "Recebia de R$ 4.000,00 e R$ 6.000,00 e ficava com R$ 800 00."
Quando a vereadora passou a ser investigada, ele depôs acompanhado de advogados indicados por ela. Após um interrogatório, ele e outra testemunha estiveram com Maria Helena, contaram o ocorrido e ela teria posto dinheiro no bolso da outra testemunha.
Chamado para depor pela segunda vez pela força-tarefa, Oliveira Junior não foi. "Ela falou para eu não ir." Disse que a vereadora usava carros cedidos pela empresa Vega Ambiental. Maria Helena cumpre prisão preventiva no 89.º DP. Seu advogado, Nadir Tarabori não foi localizado pela reportagem.