Madri, 11 (AE-DOW JONES) - A Europa sofre um importante atraso em relação aos Estados Unidos na utilização comercial da Internet, segundo a maioria dos cientistas, autoridades governamentais da União Européia e diretores de empresas de Internet reunidos em Madri (Espanha) para discutir o potencial da rede.
O encontro ocorre um dia após o anúncio da bilionária fusão das norte-americanas America Online, maior provedor de serviços para a Internet do mundo, com a Time Warner.
Em seu discurso de abertura, o primeiro-ministro espanhol, José María Aznar, pediu aos países da União Européia uma maior difusão das novas tecnologias para que seja derrubada a lacuna do continente em relação aos EUA.
Representantes do encontro, chamado "Europa en la Economía de Internet", afirmaram que o número de computadores residenciais conectados à rede é comparativamente muito menor em relação aos Estados Unidos, onde 50% das casas estão ligadas à rede.
Em 1999, o e-comércio movimentou 17 bilhões de euros nas 15 nações da União Européia, cerca de um terço dos números norte-americanos. "Não podemos ficar atrás", alertou o premiê espanhol.
Aznar disse que os governos devem acabar com as barreiras reguladoras para que os empreendedores europeus consigam se adaptar à nova economia global.
O ministro da Indústria da Espanha, Josep Pique, destacou em seu discurso que o valor do negócio da AOL com a Time Warner, de US$ 164 bilhões, representa um terço do PIB espanhol.
O representante da sociedade de Informação e Empreendimento da União Européia, Erkki Liikanen, apresentou um projeto para estimular a inserção da Europa no mundo digital, que prevê a instalação de equipamentos com acesso livre à Internet em todas as escolas, além do aumento do capital disponível para investimentos de risco no segmento.