R, 03 (AE) - Os ingressos para os lugares nobres do Sambódromo no Rio de Janeiro já estão esgotados. A venda começou no dia 16 de novembro passado e as cadeiras especiais dos setores centrais e as arquibancadas especiais dos setores 5 e 7 foram compradas nos primeiros dias, para os três desfiles: o de domingo e segunda-feira de carnaval e o do sábado seguinte, quando saem as campeãs dos grupos A, B e Especial. Os ingressos restantes estão disponíveis em agências do Banco Bandeirantes em todo o País. Ao todo, o sambódromo tem 38.023 lugares, em cada dia de desfile.
Deles, cerca de 10 mil foram vendidos a preços que vão de R$ 22,00 (a arquibancada especial no setor quatro, para o desfile das campeãs) a R$ 275,00 (a cadeira especial de pista no sábado e domingo). Os 16.100 ingressos das arquibancadas populares (setores 1, 6 e 13) só serão vendidos a partir do sábado anterior ao carnaval, dia 26 de fevereiro, a preços que vão de R$ 3,5 (no desfile das campeãs) a R$ 17,00 (no sábado e domingo) .
Convidados - Mal acabou o réveillon, que reuniu milhões de pessoas nas praias do Rio, a cidade começa a viver o carnaval
tanto o das grandes escolas de samba, na Marquês de Sapucaí, quanto o dos blocos que surgem a cada dia nos bairros. Se na passagem de ano a cidade recebe muitos turistas brasileiros, no carnaval os estrangeiros são mais da metade e este ano sonha-se com convidados do quilate de Sharon Stone e Brad Pitt.
O convite aos dois, e também para Leonardo di Caprio, Sandra Bullok, Uma Thruman, Ethan Hawke, Melanie Griffith e Antonio Banderas) ainda não tiveram respostas, mas a Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH|) já contratou um agente em Nova York para cuidar do assunto. A presença deles talvez compense o índice de desocupação de 30% dos 24 mil quartos dos hotéis cariocas no réveilllon.
Os ensaios de escola de samba mais concorridos, geralmente nas sextas-feiras e sábados, são da Mangueira e do Salgueiro, que têm quadras próximo à zona sul. Mas tem gente que se aventura até Nilópolis (na Baixada Fluminense) e São Gonçalo (do outro lado da baía da Guanabara) para sambar nas Beija-flor e na Viradouro, escolas sem a tradição das outras duas mas campeãs dos últimos carnavais. Entre os blocos, os ensaios mais badalados são do Simpatia é Quase Amor e do Suvaco, que reúnem cerca de quatro mil pessoas nos fins de semana.
Nos barracões das escolas de samba, os carros alegóricos já estão montados e começam a receber decoração. Um batalhão de mais de dez mil pessoas trabalham de oito a dez horas por dia, jornada que deve crescer à medida em que março for chegando. Este ano, os carnavalescos não querem escolas gigantescas e o número de compomentes deve ficar entre três e quatro mil.
Brasil - Os 500 anos da história do Brasil vão ser o tema das 14 escolas de samba do Grupo Especial. A cronologia foi deixada de lado porque o desfile começa no domingo, 5 de março, com a Unidos do Porto da Pedra, de São Gonçalo, município do Grande Rio, às margens da baía da Guanabara, contando a Proclamação da República, e termina na segunda-feira (ou melhor, na manhã da terça-feira) com a Viradouro, escola de Niterói, também do outro lado da baía, falando sobre as diversas imagens que o Brasil tem ou teve.
No intervalo desfilam Getúlio Vargas (Portela), Cabral (Imperatriz Leopoldinense e Unidos da Tijuca), índios (Vila Isabe) e negros (Mangueira e Tradição) e até a ditadura militar (União da Ilha). As escolas do Grupo de Acesso (A) não têm enredo preso a um só tema e desfilam no sábado de carnaval, 4 de março. Os ingressos não têm data de venda, mas entre elas estão agremiações tradicionais como o Império Serrano, que desceu no ano passado e Em Cima da Hora.