São Paulo, 26 (AE) - Para o presidente da NTC, Romeu Luft, o roubo de cargas no Brasil continua existindo por causa da impunidade. Segundo ele, esse crime é um problema para as transportadoras há 15 anos, mas a situação piorou muito desde o Plano Real. De acordo com Luft, os empresários estão em contato com os deputados do Congresso a fim de reunir assinaturas para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) específica para tratar do roubo de cargas este ano.
A CPI do Narcotráfico do ano passado acabou atingindo receptadores e ladrões de carga, chamando a atenção da opinião pública para esse tipo de crime. Luft acha que o governo já tem todas as informações necessárias para atacar o problema, independentemente da realização de uma CPI. "O governo sabe que há grandes comerciantes e policiais envolvidos", acredita.
"Basta o policiamento aumentar para as ocorrências diminuírem", diz ele. Luft lembra que, na época da CPI do narcotráfico (entre outubro e dezembro de 99), o número de roubos diminuiu até 15% em relação aos três meses anteriores. "As quadrilhas ficaram alertas", conta. "Quando o governo realizou blitze nas farmácias para apreender remédios falsificados e roubados, os roubos de remédios caíram a zero", diz Luft. "Mas depois a pressão relaxou e a situação voltou ao normal".