|
  • Bitcoin 102.473
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 04/06/2022, 10:31

Em Londrina, Queiroga diz que uso obrigatório de máscaras é 'bobagem'

Ministro da Saúde visitou três hospitais da cidade e anunciou investimentos no setor

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 03 de junho de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Gustavo Carneiro
menu flutuante

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou nesta sexta-feira (3), durante visita ao Hospital do Câncer de Londrina (HCL), governos estaduais e prefeituras que estão obrigando novamente o uso de máscaras contra a Covid-19. Em entrevista coletiva, ele classificou a medida como "inútil e uma bobagem sem precedentes". 

Imagem ilustrativa da imagem Em Londrina, Queiroga diz que uso obrigatório de máscaras é 'bobagem' Imagem ilustrativa da imagem Em Londrina, Queiroga diz que uso obrigatório de máscaras é 'bobagem'
|  Foto: Gustavo Carneiro
 

"Tem gente que usa máscara com uma proteção maior, tem gente que passa o mês inteiro com uma máscara de pano. Qual é a efetividade disso? É zero. Como fiscalizamos isso? Quem fez festinha de Carnaval fora de época? Não foi o governo federal. Os casos aumentaram, mas os hospitais têm suportado a demanda", explicou. 

Queiroga disse que é preciso saber conviver com a doença. "Precisamos de um SUS (Sistema Único de Saúde) mais forte. A obrigatoriedade da máscara não é algo novo. É uma política inútil que foi colocada em prática por muitos secretários que não conseguem resolver o problema e jogam a culpa no Ministério da Saúde", comentou. 

Em Londrina, as máscaras somente são obrigatórias em estabelecimentos de saúde, como hospitais, farmácias e unidades básicas. Apesar do aumento de casos de Covid-19, o prefeito Marcelo Belinati (PP) voltou a recomendar o uso do acessório em locais fechados. 

O ministro Queiroga, entre o reitor da UEL, Sérgio Carvalho, e a deputada Luisa Canziani O ministro Queiroga, entre o reitor da UEL, Sérgio Carvalho, e a deputada Luisa Canziani
O ministro Queiroga, entre o reitor da UEL, Sérgio Carvalho, e a deputada Luisa Canziani |  Foto: Gustavo Carneiro
 

Já a Prefeitura de Ibiporã (Região Metropolitana de Londrina) agiu diferente. O item voltou a ser obrigatório dentro das repartições públicas. 

INVESTIMENTOS

Além do Hospital do Câncer, onde anunciou um repasse de R$ 11 milhões, Marcelo Queiroga cumpriu agenda na Santa Casa e no HU (Hospital Universitário) à tarde, onde foi elogiado pelo credenciamento de 35 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).  Em Londrina, o ministro esteve acompanhado da deputada federal Luisa Canziani, que articulou o repasse de R$ 11 milhões ao Hospital do Câncer. 

Durante o evento, a superintendente do hospital, Vivian Feijó, pediu a compra de uma ressonância magnética. O equipamento é avaliado em R$ 5 milhões. "Hoje esse serviço é terceirizado. Por mês, gastamos R$ 2 milhões. Faria toda a diferença se tivéssemos o nosso". Queiroga não garantiu a verba. 

No discurso no HU, o ministro citou o pedido de ajuda de Belinati para construir três novas unidades de saúde na cidade. Nesta semana, o prefeito explicou que já tem mais de R$ 8 milhões assegurados do Governo do Paraná para as obras. 

"Isso tem que ser feito em conjunto, mas nossa prioridade é a atenção primária, ou seja, o posto de saúde. Vamos tentar ajudar, mas o foco é desafogar o atendimento na ponta para que hospitais como o HU não fiquem sobrecarregados de situações que poderiam ser resolvidas na UBS", argumentou. 

APOIO AO FILHO

O jornal O Globo publicou nesta sexta que Queiroga estaria ajudando a turbinar a pré-candidatura do filho, Antônio Cristovão Neto, conhecido como "Queiroguinha", em eventos oficiais do Ministério da Saúde na Paraíba, terra natal da família. O rapaz de 23 anos, que é estudante de Medicina, tenta uma vaga na Câmara dos Deputados. 

A reportagem denuncia que o jovem esteve ao lado do pai em cinco solenidades nos últimos três meses. "Eu e ele agimos dentro da lei. Ando o Brasil visitando o SUS para fortalecê-lo. Não vejo problema nenhum nisso", desconversou. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.