Dos 350 contratados pelo IBGE para fazer a coleta dos dados no município de Londrina 50 desistiram do trabalho. Segundo o coordenador de subárea do Censo demográfico do instituto, Alfeu Campiollo, a maior dificuldade na conclusão das entrevistas é a grande quantidade de domicílios fechados, que obriga o recenseador a voltar várias vezes ao local.
‘‘No setor de uma senhora tinha tantos domicílios fechados que ela disse que não ia continuar as entrevistas’’, conta Campiollo. Ele cita casos de pessoas que bateram a porta na cara do recenseador e outras que se recusaram a responder as entrevistas. ‘‘Uma senhora afirmou que o filho estava em São Paulo e só ele saberia responder às perguntas.’’
A recenseadora Maria Luciana dos Santos, 19 anos, lembra de um morador se recusou a responder às perguntas porque não queria dar informações ao governo. ‘‘Ele disse que o governo não tinha nada que ficar sabendo sobre a vida dele’’, conta.
Andar em média sete horas por dia não é nada diante da dificuldade que representa os domicílios fechados. ‘‘As casas que não têm ninguém atrasam muito o serviço. Às vezes durante o dia todo consigo aplicar apenas 10 questionário’’, afirma.
Desempregada, Luciana começou a trabalhar no Censo em setembro. Ela foi contratada para completar um dos setores em que o recenseador desistiu do trabalho. Do total de 464 domicílios do setor, faltavam 271. Ela conseguiu fazer entrevistas em 201. Ainda faltam 70 domicílios, encontrados fechados em visitas anteriores.
Ontem, a recenseadora voltou às ruas e, novamente, enfrentou a frustração. A pessoa que atendeu às palmas na primeira casa pediu para que voltasse depois das 18 horas. A segunda tentativa também foi em vão. ‘‘Eu já vim nestas casas pelo menos umas três vezes’’, diz. Na terceira casa, finalmente, conseguiu ser atendida. Em cinco minutos fez as perguntas e depois seguiu para as outras 69 casas que ainda precisam ser revisitadas.
No município de Londrina 380 mil pessoas já responderam ao Censo. A estimativa do IBGE é de que sejam entrevistados 438 mil habitantes. (Érika Pelegrino, de Londrina)