São Paulo, 18 (AE)- As 400 presas da penitenciária feminina do Estado estão rebeladas nesta manhã por causa do afastamento do diretor Walter Gomes. A rebelião teve início ontem à tarde e as presas estão no pátio do presídio, que faz parte do complexo do Carandiru, na zona norte de São Paulo. Elas se recusam a voltar para as celas e exigem a presença do secretário da Administração Judiciária e do juiz corregedor da capital. De acordo com funcionários, Walter Gomes foi afastado do cargo e era considerado o "paizão" das presas, que faziam o que queriam na penitenciária.