|
  • Bitcoin 121.199
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3338
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 01/07/2022, 00:05

Denúncia de Golpe do Cheiro movimenta redes sociais

Episódio causou troca de acusações entre passageira e motorista de aplicativo em Londrina

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 01 de julho de 2022

Isabella Alonso Panho - Especial para a FOLHA
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Um novo tipo de golpe praticado em carros de aplicativo ganhou visibilidade em Londrina nas redes sociais. No início de junho, uma estudante publicou um relato de que teria sido vítima do chamado “golpe do cheiro” quando estava, por volta das 8 da manhã, indo para a faculdade. Segundo o relato da estudante, que pediu à Folha para não ser identificada, o motorista teria errado o caminho duas vezes. A princípio, ela não se preocupou. Contudo, no segundo equívoco, ele teria entrado em uma rua de terra sem saída, na zona oeste da cidade. “Eu senti um cheiro forte. Eu não sei explicar que cheiro que é esse, eu sei que senti um cheiro forte e comecei a não me sentir bem”, contou. Na hora, ela abriu a janela ao seu lado e desconfiou de que algo estranho estava acontecendo. “Eu comecei a ficar tonta, a visão começou a ficar embaçada, eu sabia que não estava normal. Eu abri a porta e consegui sair correndo.”

Imagem ilustrativa da imagem Denúncia de Golpe do Cheiro movimenta redes sociais Imagem ilustrativa da imagem Denúncia de Golpe do Cheiro movimenta redes sociais
|  Foto: iStock
 

A poucos metros do local, a vítima, que correu risco de desmaiar, conseguiu ajuda de um outro motorista de aplicativo, que a levou até a universidade. Lá, ela recebeu os primeiros socorros. “Minha pressão estava 15 por 10, e eu não tenho problema de pressão alta. É o contrário, eu tenho problema de pressão baixa. Estava bem acima do meu normal”, conta. No mesmo dia, ela procurou a Polícia Civil e registrou boletim de ocorrência. Com a repercussão do caso, o motorista também procurou o órgão para narrar a sua versão dos fatos.

Segundo a vítima, logo após o depoimento prestado à Polícia, não houve encaminhamento para a realização de exame toxicológico, o que é fundamental nesse tipo de crime. Como explica a advogada criminalista Carolina Sekiama, que atua em causas que envolvem violência de gênero, “os vestígios são essenciais para comprovar que a pessoa passou por alguma situação anormal". "Por mais que a palavra da vítima seja importante, os vestígios tendem a desaparecer em muito pouco tempo nesse tipo de situação”, explica.

Caso a vítima não consiga passar diretamente pelo IML (Instituto Médico Legal) a tempo, os exames feitos na rede particular também servem como prova. “A mulher pode, por si própria, procurar um laboratório que faça exame toxicológico e explicar para o profissional o que aconteceu, para que esse vestígio não seja perdido”, orienta Sekiama. A advogada também relembra que, muitas vezes, o IML pode não realizar o exame específico que é necessário para comprovar a presença de certas substâncias no organismo.

Por se tratar de uma nova modalidade de golpe, ainda não há informações oficiais sobre como ele seria feito – qual é a substância utilizada e como o motorista não se contamina. A Polícia Civil de Londrina está acompanhando o caso e, por ora, não comentará as investigações. Segundo o órgão, esse é o primeiro caso formalizado em Londrina. A Polícia Militar também afirmou que não possui registros de ocorrências dessa natureza na cidade.

REVITIMIZAÇÃO

Depois que o relato da estudante viralizou nas redes sociais, ela recebeu muitas mensagens de apoio, mas também de revolta com a sua postura. “Eu recebi muita mensagem boa, de mulheres me agradecendo, porque também andam com carro de aplicativo”, conta a vítima. Por outro lado, “teve gente vindo me xingar, dizendo que eu queria ganhar seguidor". "Nessa situação, eu quero mais é que parem de me seguir. Falaram até que eu fiz isso porque eu não tinha dinheiro para pagar”, lamenta. No dia seguinte ao fato, motoristas de aplicativo protestaram na frente da universidade da vítima. A Polícia Militar acompanhou situação.

OUTROS CASOS

Apesar de os registros oficiais não terem casos semelhantes, após a viralização do relato, outras vítimas apareceram. Uma outra estudante, que pediu para não ser identificada, contou à FOLHA que sofreu o mesmo tipo de golpe em 2018, quando voltava do trabalho.

Perto da casa dela, a  jovem ouviu um barulho de spray e um cheiro doce e forte. Em seguida, o motorista aumentou o som do carro. “Foi uma sequência que não sai da minha cabeça”, conta. Os sintomas foram imediatos e semelhantes ao caso deste ano: “Meu olho começou a fechar e eu sentia que meu corpo já estava mole. Eu ia desmaiar”.

Para não perder os sentidos, a estudante relata que “estava com uma jaqueta na mão". "Na hora que meu corpo começou a escorregar no banco, eu coloquei a jaqueta no meu nariz e tampei. Eu respirava o menos possível. Eu não sentia minha perna, não sentia meu braço, começou a formigar”, conta a vítima.

O pai da jovem já a esperava em frente de casa. Ela saiu do veículo ainda em movimento. O motorista pôs a cabeça para fora e desejou que ela aproveitasse o fim de semana. “Eu tive certeza absoluta de algo tinha acontecido ali. Ele falou num tom malicioso, nojento.” Na época, ela se sentiu muito confusa e desamparada, sobretudo pela falta de informações sobre esse tipo de golpe. Demoraram duas semanas para que ela conseguisse contar o que aconteceu para a mãe. “Eu achava que estava louca”, relembra.

A pedido da Folha de Londrina, a empresa para a qual o motorista de aplicativo trabalha se manifestou por meio da seguinte nota: "Com relação ao que vem sendo chamado de "golpe do cheiro", a única denúncia dessa natureza relativa a viagens no aplicativo da empresa que já teve a investigação concluída pela Polícia Civil, até onde temos conhecimento, ocorreu em Canoas (RS) e o caso foi encerrado após o inquérito policial, já que, de acordo com as autoridades, não houve elementos de prática de crime. Em outro caso, no Rio de Janeiro, o laudo pericial atestou que não foram encontradas substâncias de natureza tóxica, perigosa ou nociva. De qualquer forma, a empresa trata todas as denúncias com a máxima seriedade e avalia cada caso individualmente para tomar as medidas cabíveis, sempre se colocando à disposição das autoridades competentes para colaborar, nos termos da lei".

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.