Nova York, 07 (AE-DOW JONES) - Os indicadores do desemprego nos EUA em dezembro, divulgados pela manhã, praticamente garantem que o Federal Reserve elevará as taxas de juro de curto prazo na reunião dos dias 1º e 2 de fevereiro. Mas o aperto deverá ficar em 0,25 ponto porcentual, e não no 0,50 ponto que muitos observadores temiam. Essa opinião é de economistas ouvidos pela Dow Jones.
Para Stephen Gallagher, diretor de pesquisa econômica do Societé Générale, os dirigentes do Fed "precisam preocupar-se mnais com a aceleração dos salários e com o fato de a geração de novos empregos não mostra sinais de desaceleração".
Gallagher acredita que a taxa dos Fed Funds será elevada de 5 50% para 5,75%, mas ressalva que os indicadores "aumentam um pouco" a probalilidade de um aperto de 0,50 ponto porcentual.
O estrategista David Horner, da Merrill Lynch, prevê uma elevação de 25 pontos-base. "Nós temos um sentim ento muito forte de que não será de 50 pontos-base", afirmou.
"Acho que uma sucessão de apertos do Fed é mais provável, no casi de eles não elevarem as taxas em 50 pontos-base", disse o estrategista Anthony Crescenzi, da Miller, Tabak & Co.
Henry Willmore, economista do Barclays Capital, acredita que o Fed decidirá por um aperto de 50 pontos-base em fevereiro e outro em março. Para ele, a chance de o Fed elevar as taxas de juro em 50 pontos-base em fevereiro é de 40%. Willmore acrescentou que uma alta de 0,3% ou mais no índice de preços ao consumidor de dezembro (a sair na sexta-feira que vem) "levaria as pessoas a pensar em 50 pontos-base".