Brasília, 1 (AE) - O presidente da CUT do Distrito Federal, José Zunga Alves de Lima, fez há pouco um protesto relâmpago na Praça dos Três Poderes, contra a liminar concedida pelo ministro Nelson Jobim, do Supremo Tribunal Federal (STF), garantiu o auxílio-moradia para os magistrados. Ele pregou nos olhos e na boca da estátua que simboliza a Justiça cópias ampliadas da nota de R$ 1,00 grafando nelas a palavra irreal. Segundo Zunga, no momento em que os funcionários públicos estão com os salários congelados há cinco anos, que o desemprego é crescente, que o salário mínimo não é digno e que as pessoas mais pobres não têm moradia, os trabalhadores não podem se calar diante da decisão do Supremo. "A Justiça está cega e muda quando toma uma decisão dessas", afirmou. Segundo o presidente regional da CUT, entidades sindicais, principalmente representativas dos funcionários públicos estão prepar ando movimentos de protesto para depois do carnaval e não está descartada as proposta da uma greve geral .