Croácia, 3 (AE-AP) - Croatas votaram, segunda-feira (3), para as eleições parlamentares que determinarão se o país permanecerá na trajetória autoritária do último presidente ou dará mais atenção à democracia.
Mais de sessenta por cento dos 4,17 milhões de croatas, incluindo cerca de 350.000 vivendo no exterior, já tinham exercido o direito de escolher as cadeiras da câmara baixa por volta do meio-dia, local, algumas horas depois da abertura das zonas eleitorais, por volta das 6h GMT (4h de Brasília).
As cerca de 6.500 salas de votação fecharam às 16h, de Brasília, e os primeiros resultados são esperados para às 21h30, de Brasília.
As eleições são as primeiras no país desde 10 de dezembro, data da morte do presidente Franjo Tudjman que deixou a Croácia independente ao separar o país da Iugoslávia, em 1991, e perdeu o apoio do Ocidente nos anos seguintes em decorrência do seu autoritarismo e nacionalismo que culminaram no sentimento anti-sérvios e na perseguição dessa minoria.
Cinquenta e cinco partidos estão disputando 150 cadeiras no Parlamento. A maioria dos analistas acredita que a coalizão de centro-esquerda, Social Democracia e Social Liberal, que se comprometeu com reformas democráticas, vencerá as eleições. O partido ligado ao ex-presidente Tudjman, União Democrática Croata, serviu bem ao país durante os conflitos para a independência mas as reformas, o desenvolvimento da democracia e os direitos humanos ficaram de lado. Como resultado, a comunidade internacional manteve distância do país envolvido nos conflitos dos Bálcãs.