CPI dos Precatórios pode ser reaberta11/Mar, 18:03 Por Maria Fernanda Delmas Rio, 11 (AE) - O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) pedirá a reabertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Precatórios por causa das denúncias de corrupção na gestão do prefeito Celso Pitta (PTN), feitas por sua ex-mulher, Nicéa Pitta. O pedido será entregue ao presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP). "Vou solicitar ao Temer que o pedido para instaurar a CPI seja votado na quarta-feira, em regime de urgência urgentíssima, e de forma aberta, nominal", afirmou Miro. "O resultado da primeira CPI, feita apenas no Senado, foi insuficiente, e o pouco resultado que conseguimos foi decorrente da luta de vários senadores e da pressão da opinião pública", disse o deputado. Ele destacou o trabalho de senadores como o relator Roberto Requião, Vilson Kleinubing (já falecido) e Josaphat Marinho. "Vamos fazer a investigação a partir das conclusões da outra CPI, mas devemos concentrar esforços nos pontos em que não conseguimos entrar antes". A CPI, encerrada em 1997, foi instaurada para apurar as denúncias segundo as quais vários governantes usaram para outros fins o dinheiro obtido com a emissão de títulos para pagar dívidas decorrentes de sentenças judicias (precatórios). O relatório da CPI responsabilizou os então governadores Paulo Affonso (Santa Catarina), Divaldo Suruagy (Alagoas) e Miguel Arraes (Pernambuco), além de Paulo Maluf e seu ex-secretário das Finanças, Celso Pitta. Suruagy renunciou e Paulo Affonso teve os bens indisponibilizados. Há ações contra Pitta no Tribunal de Justiça de São Paulo, por improbidade administrativa, e um inquérito aberto no Ministério Público Federal. Miro proporá uma nova CPI na Câmara, mas também vai pedir o apoio do Senado. Ele questiona o fato de a primeira CPI ter ficado no âmbito do Senado, porque a emissão dos títulos, apesar de rejeitada pelo Banco Central, havia sido aprovada por diversos senadores. O deputado considerou o depoimento de Nicéa Pitta "gravíssimo". "Os motivos que a levaram a falar são irrelevantes", disse. ACM - O presidente do Senado, Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), disse hoje, em Salvador, que há possibilidade de reabertura das investigações sobre os precatórios. "Se o Senado quiser reabrir, tudo bem, porque sempre fui contra pagamento dos precatórios com menos de dez anos." ACM lamentou a situação atual da capital paulista. "É triste que esteja nessa degradação, expondo sua nudez à opinião pública", afirmou. Em Santiago do Chile, o presidente Fernando Henrique Cardoso também comentou as denúncias de Nicéa contra seu ex-marido. De acordo com o presidente, as acusações - se forem verdadeiras - são muito graves. (Colaboraram Paulo Porto e Isabel Braga)