São Paulo, 01 (AE) - O governador Mário Covas entregou hoje a primeira etapa do projeto São Paulo Pomar - Pinheiros/Tietê: mais verde, mais vida, uma parceria do "Jornal da Tarde" com o governo do Estado e a iniciativa privada, que tem como objetivo o reflorestamento das margens dos rios. O trecho de 1 quilômetro entre as pontes João Dias e Morumbi, na Marginal do Pinheiros, recebeu 10 mil mudas de árvores e plantas ornamentais. A preparação do solo, correções e adubagem começaram em dezembro. Até agora, o programa consumiu R$ 150 mil e outros R$ 72 mil serão utilizados na manutenção anual da área plantada. Até julho, os 15 quilômetros restantes da margem esquerda do Rio Pinheiros deverão receber 200 mil mudas. A conclusão da revitalização na Marginal do Pinheiros está prevista para o fim do ano. Em seguida, terá início o plantio nas margens do Rio Tietê. Empregos - Na cerimônia de entrega do trecho, hoje à tarde, o governador agradeceu aos parceiros do projeto o que chamou de resgate da auto-estima do paulistano. "Além da recuperação ambiental, outro significado positivo está na geração permanente de empregos". Para o plantio do primeiro trecho, a secretaria utilizou 100 bolsistas das frentes de trabalho do governo do Estado. Eles tiveram aulas sobre ecologia, morfologia e fisiologia das plantas, fertilidade dos solos, adubação, compostos orgânicos, sementeiras e técnicas de propagação vegetativa. Eles aprenderam também a fazer vasos e canteiros, o uso correto de ferramentas e técnicas de paisagismo. Parceria - Os planos de arborização - que incluem as Marginais do Tietê e do Pinheiros - contam com nove empresas da margem esquerda do Rio Pinheiros, na primeira fase do projeto: Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb); Empresa Metropolitana de águas e Energia (Emae); Natura Cosméticos; Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa); Companhia Auxiliar de Viação e Obras (Cavo); Johnsons & Johnsons; Universidade Paulista (Unip); Grupo Vicunha e Empresa Paulista de Transmissão de Energia. Segundo o secretário do Meio Ambiente, Ricardo Tripoli, outras empresas vão-se interessar em comprar lotes nessa margem. "Agora que todo mundo viu que dá certo, ganhamos credibilidade", disse. A secretaria anunciou a criação de uma cooperativa para que as empresas da parceria contratem mão-de-obra das frentes de trabalho não só para preparar o solo e plantar como também para a manutenção dos lotes. A secretaria estima que serão necessários 400 bolsistas.