Rio, 04 (AE) - O coronel do Exército Jairo de Castro Freitas foi designado, em nota divulgada no início da noite de hoje, assinada pelo chefe da 5.ª Seção do Comando Militar do Leste (CML), coronel Elinton Vargas Lemos do Prado, para ser o responsável pelo inquérito policial-militar (IPM) que vai apurar os fatos ocorridos no Forte Copacabana, no Rio, na sexta-feira (31), véspera de ano-novo.
Na ocasião, dois jornalistas foram espancados e detidos por oficiais do Exército e tiveram os equipamentos danificados. O atrito aconteceu quando parte da estrutura da tenda onde acontecia a recepção promovida pela prefeitura, e onde estava o presidente Fernando Henrique Cardoso, caiu por causa da força do vento.
Os repórteres-fotográficos de plantão correram para fazer um registro e logo veio uma ordem para que a imprensa fosse afastada. O repórter do "Jornal do Brasil" (JB) Fernando Bizerra Júnior, de 21 anos, diz que os soldados tentaram arrancar a máquina dele. Como reagiu, Bizerra Júnior foi imobilizado e levado para uma sala onde, segundo a versão dele, foi xingado e chutado.
Credenciada pela Editora Abril, a fotógrafa Sheila Chagas também foi levada para o lugar onde estava Bizerra Júnior. Os dois profissionais só conseguiram sair do local após a chegada do coordenador de Comunicação do prefeito Luiz Paulo Conde (PFL), Luiz Alberto Bittencourt. No sábado (01), Bizerra Júnior, acompanhado de dois advogados do JB, registrou queixa na 13.ª Delegacia de Polícia (Copacabana). A ocorrência foi lavrada como lesão corporal, abuso de autoridade e roubo.