Contas, tabelas e gráficos: prova do Enem chega ao segundo dia

Candidatos testam conhecimentos em Ciências da Natureza e Matemática

Vitor Struck - Grupo Folha
Vitor Struck - Grupo Folha

Neste domingo (10), quase 4 milhões de estudantes devem fazer a segunda prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A estimativa leva em consideração a abstenção de 23% dos 5,1 milhões de inscritos em todo o País na primeira etapa, no último domingo (3). No entanto, a participação na prova de Matemática e suas Tecnologias e Ciências da Natureza e suas Tecnologias segue sendo permitida para quem faltou na primeira, apenas para uma autoavaliação.  

Na primeira fase, quase 50 mil paranaenses realizaram a inscrição, mas deixaram de comparecer na prova
Na primeira fase, quase 50 mil paranaenses realizaram a inscrição, mas deixaram de comparecer na prova | Gina Mardones/3-11-2019
 


Com 90 questões sobre matemática, química, física e biologia, a prova com mais contas e textos mais "enxutos" poderá ser finalizada em até cinco horas. Entretanto, destas, 45 são de matemática. 




Para o professor da disciplina no curso pré-vestibular londrinense NeoDNA, entre outros em Maringá e Curitiba, Marco Antonio Velasco Capri, a principal dica é começar pelas consideradas mais fáceis tanto para economizar energia, quanto pelo sistema de correção da prova do Enem.   


“Se ele acertar estas, digamos 20 questões mais fáceis, a nota dele já é muito boa. A matemática pela média do Brasil não ser muito alta, se ele acertar 20 das 45 já tem uma média muito acima de 50% da prova. Por exemplo, um cara que acerta 20 ele já faz com certeza mais de 700 pontos. O problema do Enem é que ele não pode acertar uma difícil e errar uma fácil”, lembrou.    


Baseado na TRI (Teoria de Resposta ao Item), o método de correção da prova do Enem calcula a pontuação de acordo com o nível de dificuldade de cada questão. Através de um algoritmo que identifica um "comportamento", a metodologia é uma forma de legitimar a prova e os conhecimentos dos alunos porque visa  impedir o bom e velho "chute".  


Capri ressaltou que a prova deste domingo não deve surpreender tanto os alunos que se prepararam através de questões de provas anteriores do Enem, uma vez que as habilidades exigidas no edital de elaboração da prova não mudaram neste ano. “Então tem pelo menos uma questão de cada habilidade. Todo o ano cai aquele mesmo tipo de questão, outra coisa que o aluno sabe é que as questões são sempre bem contextualizadas, não com uma ou duas linhas como alguns vestibulares”, avaliou.  


Por conta disso, o professor apontou que pode ser uma boa “estratégia” utilizar também as informações trazidas nas alternativas além do enunciado. “É muito interessante o aluno utilizar as alternativas, têm algumas habilidades que, inclusive, precisa disso, você olhar cada alternativa e dizer ‘essa aqui está errada, esta é impossível, já essa pode ser a correta’”, sugeriu.  


Questionado sobre quais são as principais dificuldades trazidas em sala, ele elencou assuntos como probabilidades, geometria e estatísticas. “Eles tentam colocar, eu acredito, umas cinco mais difíceis, então vão escolher uma habilidade ou outra. Normalmente as mais difíceis tratam de probabilidades. Questões de conhecimento numérico básico, questões de geometria, cai muito. Estatística, gráficos, tabelas, é uma prova bem interessante que quer mostrar ao aluno que matemática pode ser utilizada no dia a dia”, avaliou.  

 

Na primeira fase, quase 50 mil paranaenses realizaram a inscrição, mas deixaram de comparecer na prova. Em todo o País, 376 pessoas foram eliminadas por descumprirem as regras do exame. A novidade é que qualquer sinal sonoro de um aparelho celular durante a prova é motivo para desclassificação do participante. 


Já o período para a interposição de recursos é entre 11 e 18 de novembro na Página do Participante. Estudantes que se sentirem prejudicados por conta de algum problema logístico, como desastres naturais que venham a comprometer a infraestrutura do local de prova, ocasionando falta de energia elétrica, podem pleitear a realização de uma nova prova. Além disso, um erro na execução do procedimento de aplicação pelo aplicador, desde que comprovado o prejuízo do participante, também poderá ser ocasionar em reaplicação da prova. A reaplicação está marcada para os dias 10 e 11 de dezembro e não é concedida em caso de problemas de saúde.


Continue lendo


Últimas notícias