Comissão que vai investigar o envolvimento de policiais do Rio em crimes reúne-se amanhã19/Mar, 17:27 Por Murilo Fiuza de Melo Rio, 19 (AE) - A comissão especial instituída para investigar o envolvimento de policiais civis e militares do Rio com corrupção, extorsão, tráfico de drogas e grupos de extermínio terá a sua primeira reunião de trabalho amanhã (20), às 10 horas. Hoje, em seu programa de rádio, o governador Anthony Garotinho reafirmou que o grupo terá total liberdade para fazer as investigações. A comissão é formada por dois oficiais da PM, dois delegados e dois integrantes do Ministério Público, sob a coordenação do secretário estadual de Segurança, coronel Josias Quintal. "Essa é a resposta que temos de dar à população: apurar tudo e seguir a orientação que dei ao coronel Josias e solicitei ao procurador-geral de Justiça, José Muiños Piñeiro", afirmou o governador. A decisão de formar a comissão foi tomada depois que o ex-coordenador de Segurança e Cidadania Luiz Eduardo Soares afirmou que integrantes da chamada "banda podre" estariam ocupando cargos de chefia na Polícia Civil, indicados pelo próprio chefe de Polícia, delegado Rafik Louzada, pelo corregedor Waldyr Arruda e pelo superintendente de Polícia Especializada, Marcos Reimão. As declarações de Soares detonaram a maior crise na área de Segurança do governo Garotinho e culminaram com a demissão do próprio coordenador e de Waldyr Arruda. Garotinho exonerou Soares pela televisão. Louzada, indicado pelo coronel Quintal, saiu fortalecido assim como o secretário, que agora acumula a coordenadoria de Segurança e Cidadania. Críticsa - Garotinho voltou a criticar duramente a postura do ex-coordenador e rebateu acusações feitas por Soares de que ele teria feito aliança com a "banda podre" da polícia. "O doutor Luiz Eduardo, após a saída, mostrou a sua verdadeira face, ao dizer uma coisa para mim e outra para a imprensa", disse. "Na véspera, ele havia feito elogios a mim e ao secretário Josias, dizendo que éramos pessoas íntegras, honestas; agora que ele saiu, nós mudamos e deixamos de ser honestos?", indagou. No programa de rádio, o governador colocou no ar a gravação que fez com o ex-coordenador de Segurança Pública, por telefone, quando comunicou a ele a sua demissão. A gravação havia sido motivo de um bate-boca entre Garotinho e Soares ao vivo em um programa de rádio no sábado. Indignado, o ex-auxiliar classificou a atitude do governador de "antiética".