Pequim, 01 (AE-ANSA) - A polícia chinesa deteve neste sábado (01) cinco pessoas para impedir uma reunião religiosa cristã, informou o Centro de Informações de Direitos Humanos, organismo com sede em Hong Kong.
Xu Yonghai, um médico do hospital Pingan, de Pequim, foi detido na saída do prédio.
O médico, um cristão que não pertence à Igreja oficial controlada pelo governo, organizou para hoje uma reunião religiosa e uma discussão teológica em sua casa.
Outros quatro cristãos foram detidos e, segundo o comunicado do Centro de Dereitos Humanos, mais quatro estão "desaparecidos", entre eles a esposa do dissidente Xu Wenli, condenado em 1998 a 13 anos de prisão por subversão.