Cartões eletrônicos falham e dão problemas ao público4/Mar, 15:27 Por Jobson Lemos São Paulo, 4 (AE) - A tecnologia deixou a desejar no primeiro dia de desfiles do carnaval paulista. Nas bilheterias, ingressos comprados em postos oficiais de venda eram recusados pelas catracas eletrônicas. Havia cambistas nas ruas e avenidas ao lado do Anhembi, mas este ano eles não foram apontados como os vilões pelas confusões nas entradas. O problema, segundo o proprietário da Dimep Gráfica, Josué Dimas de Melo Pimenta, deve ter sido causado pela falta de cuidado ao guardar os bilhetes magnéticos. Deixados muito tempo perto de alto-falantes, televisores ou aparelhos celulares, os cartões podem se desmagnetizar. A empresa é responsável pelos ingressos do Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 e foi escolhida pela Liga das Escolas de Samba para confeccionar os ingressos por ter um sistema mais seguro contra fraudes e falsificações. "Não soubemos de nenhum ingresso frio." Apesar disso, muitas pessoas passaram pelo constrangimento de ficar esperando até que tivessem sua entrada liberada. A tradutora Kátia Orlandi, de 31 anos, e seu marido, o professor Cleber Souza Rosseli, de 35 anos, compraram ingressos no mesmo ponto-de-venda. Ela entrou no sambódromo sem problemas. Ele teve de esperar por uma conferência entre os fiscais para poder acompanhar a mulher. "Isso é brincadeira", protestou Rosseli.