Brasília, 08 (AE) - O presidente da Vasp, Wagner Canhedo, garantiu hoje ao comandante da Aeronáutica, brigadeiro Carlos de Almeida Baptista, que pagará quinta-feira o valor referente ao uso dos aeroportos durante a semana passada.
Segundo Canhedo, o pagamento será feito um dia antes do prazo previsto, para evitar qualquer tipo de dúvida por parte dos passageiros. O anúncio foi feito depois de reunião de pouco mais de uma hora entre os dois.
Mas o brigadeiro Baptista não deixou de reiterar a ameaça feita no dia anterior de que, se a empresa aérea não pagar as taxas à Infraero - Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária, os vôos serão suspensos a partir de sábado. Não houve acordo, no entanto, em relação às dívidas anteriores.
"A cada sexta-feira haverá um suspense", comentou o brigadeiro, ao explicar que no último dia da semana a Vasp terá de pagar as taxas aeroportuárias referentes à semana passada. Nesta sexta-feira, de acordo com a Infraero, a VASP terá de pagar R$ 1.654.000,00. Para Canhedo, a empresa tem de pagar entre R$ 1,3 milhão e R$ 1,4 milhão.
Aeronáutica e empresa aérea também não se entenderam em relação ao valor das dívidas atrasadas. O brigadeiro Baptista deu um prazo até o dia 17 para que a Vasp apresente a sua proposta de pagamento dos débitos anteriores, que somam R$ 407 milhões, sendo R$ 370 de débitos antigos e R$ 37 milhões de dezembro para cá. A partir de hoje, Infraero e VASP vão sentar à mesa para discutir os valores. Para o brigadeiro, é preciso dar todas as chances para se preservar uma empresa nacional, que emprega 8.500 pessoas.
O comandante lembrou ainda que a Vasp é a empresa que apresenta o melhor índice de segurança de vôo. Ressalvou, no entanto, que a Vasp é a única empresa aérea que está trazendo problemas para ele. "Para mim, as demais empresas não têm problemas", declarou.
Canhedo assegurou que a Vasp não vai atrasar mais os pagamentos e defendeu o direito de as empresas escolherem a quem pagar. "A empresa é que deve decidir a quem ela vai pagar e quem vai deixar de pagar", afirmou Canhedo, acrescentando que no caso do governo, não só a Vasp, mas todas as empresas de transporte aéreo deixaram de pagar.
Como a dívida da Vasp foi renegociada várias vezes e Wagner Canhedo, apesar do compromisso assumido, continuou não pagando, a Infraero decidiu entrar com uma ação na Justiça, para exigir o pagamento diário das taxas de operação nos aeroportos administrados pelo governo e obteve a vitória.
A empresa aérea, então, começou a pagar a dívida semanalmente mas, em dezembro, entrou com recurso e obteve uma liminar que permitiu o não pagamento das tarifas. Na sexta-feira, a desembargadora Julieta Lunz, do Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro, suspendeu a liminar determinando que a companhia aérea voltasse a recolher as taxas, o que será feito semanalmente.
Diariamente, a média de pagamento que a Vasp deveria fazer por uso dos aeroportos no País, de acordo com a Infraero, é de R$ 236.332,00.