Agência Folha
De Campinas
A DIR-12 (Direção Regional de Saúde) de Campinas registrou ontem 49 novos casos de meningite viral. O número de casos confirmados subiu de 227 para 276 neste ano. Na última segunda-feira, a DIR-12 confirmou que a região enfrenta um surto de meningite viral. Nos três primeiros meses de 99, a direção registrou 195 casos de meningite viral. Em 1999, a região também enfrentou surto da doença. No entanto, a direção ainda descarta uma possível ligação entre a doença e a vacinação contra a febre amarela.
O número de casos de meningite viral aumentou na região no mesmo período da campanha contra a febre amarela. A campanha de vacinação aconteceu de 5 de fevereiro a 3 deste mês. Laudo do Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo confirmou ontem que a morte do técnico em eletrônica Marcos Gonçalves, 30, de Jundiaí (60 km de SP), foi provocada por meningite bacteriana.
O Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) da Secretaria de Estado da
Saúde descartou ontem que a morte de Gonçalves tenha sido provocada por
reação adversa à vacina contra a febre amarela. Ele morreu dois dias após ter recebido a vacina contra a febre amarela.
Segundo a coordenadora da DIR-12 de Campinas, Maria Filomena Gouveia Vilela, o laudo do IML comprova que a vacina não provocou a morte de Gonçalves. ‘‘Ele morreu por uma infecção causada por bactéria e a vacina é feita de vírus , declarou.
Apesar do laudo do IML, a infectologista da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Raquel Silveira Bello Stucchi, afirmou ter dúvidas sobre a segurança da vacina contra a febre amarela. ‘‘Não entendo esta resistência do Ministério da Saúde em manter a vacinação no país , afirmou.
Anteontem, o CVE descartou que a morte do aposentado Luís da Silva, 74, de Americana (SP), tenha sido provocada por reação à vacina. Segundo análises dos exames feitos pelo Instituto Adolfo Lutz, o aposentado morreu por infecção bacteriana generalizada. Ele havia tomado a vacina do mesmo lote que a costureira Kate Cristina de Ramos, de Americana, que morreu por reação à imunização. Kate morreu de febre amarela vacinal, no dia 27 de fevereiro.