Campeãs de SP despedem-se sem estrelas12/Mar, 19:35 Por Maurício Moraes São Paulo, 12 (AE) - O desfile das campeãs do Grupo Especial de São Paulo encerrou o carnaval paulistano com poucas estrelas e muita alegria. Cerca de 25 mil pessoas enfrentaram o frio e a garoa da noite de sábado para assistir à apresentação das nove melhores escolas de samba da capital. Nos carros alegóricos ou nas alas não havia artistas nem modelos. Apenas integrantes das agremiações comemoraram juntos na passarela do Anhembi. Os sambas-enredo da Nenê da Vila Matilde - que ficou em terceiro lugar - e da campeã X-9 Paulistana empolgaram as arquibancadas. Apesar de a Liga das Escolas de Samba ter reduzido o preço dos ingressos em 50%, sobraram lugares. Todas as agremiações desfilaram com menos gente do que nos dois dias oficiais. Pouco antes de a Rosas de Ouro desfilar, a Liga usou uma alegoria para criticar o prefeito do Rio, Luiz Paulo Conde (PFL) e o governador daquele Estado, Anthony Garotinho (PDT). Os dois ironizaram o carnaval paulistano. A alegoria mostrava um rinoceronte fumando charuto com um saco cheio de dinheiro em uma mão. Na frente do carro, uma faixa dizia "Sou prefeito". Houve quem achasse, no entanto, que a sátira dizia respeito ao prefeito Celso Pitta (PTN). "Só pode ser para ele e veio na hora certa", disse o comerciante Nílson Júnior, de 36 anos, que estava na platéia. Depois da Rosas de Ouro, passaram Mocidade Alegre e Gaviões da Fiel. Na escola alvi-negra, a porta-bandeira Ildely Conrado foi a estrela. No desfile oficial da escola, o costeiro de sua fantasia caiu. A agremiação acabou perdendo um ponto no quesito mestre-sala e porta-bandeira e ficou em segundo lugar. Refeita do susto, Ildely passou pela avenida no desfile das campeãs com a fantasia refeita. O público fez questão de aplaudi-la. "Estou emocionada", disse. As campeãs X-9 Paulistana e Vai-Vai encerraram as apresentações no início da manhã.