RODOVIAS PRIVATIZADAS Caminhões pagarão pedágio reduzido Governo negocia com concessionárias; pressão dos transportadores de cargas deve baixar índice do reajuste da tarifa para 76% Arquivo FolhaACORDOO secretário de Estado dos Transportes Heinz Herwig: ‘‘Está praticamente fechado o aumento de 116% para veículos’’ Giovani Ferreira De Curitiba O governo do Estado e as concessionárias do Anel de Integração estão próximos de um acordo sobre o reajuste das tarifas de pedágio. A afirmação é do secretário de Estado dos Transportes, Heinz Herwig, que passou parte da tarde de ontem reunido com os representantes das empresas que administram as rodovias. Ainda ontem uma fonte do Palácio Iguaçu garantia que as partes haviam efetivado um acordo, definindo um reajuste de 76% para os caminhões e colocando fim ao impasse que estava emperrando a decisão. O secretário não confirmou que tenha havido algum acordo oficial. Disse, no entanto, que o reajuste de 76% para os caminhões é um dos percentuais que está sendo discutido. Quando conversou com a reportagem da Folha, por volta das 17h30, Heinz tinha saído da reunião com as concessionárias e estava indo à sede do governo conversar sobre o assunto com o governador Jaime Lerner (PFL). Sobre os veículos, ele falou que está praticamente fechado o aumento de 116% definido pela Justiça. A fonte do Palácio Iguaçu disse também que o anúncio oficial desse acordo deve ser divulgado e oficializado na quarta-feira, dia 22. Essa informação é reforçada pelo próprio secretário dos Transportes, quando ele disse que um acordo oficial deve ser definido na próxima semana. Na reunião com o governador, Heinz deveria definir as principais prerrogativas do acordo e deixar acertado as exigências do governo. Segundo Heinz, o governo pretende garantir esse acordo antes da data limite imposta pela Justiça Federal para o reajuste uniforme de 116%. Esse prazo, de acordo com as concessionárias, vence no próximo dia 27. Entidades de classe que estão acompanhando o assunto defendem que o aumento deveria acontece após o dia 8 de abril. Quase que diariamente as empresas do Anel de Integração vêm divulgado na imprensa os novos valores a serem praticados nas praças de pedágio de todo o Estado. A revisão do cronograma de obras é uma das principais discussões que envolve a definição sobre as novas tarifas. O governo terá que abrir mão de algumas obras previstas no contrato inicial, aliviando o volume de investimentos das concessionárias. Parte dessas obras, consideradas fundamentais para o sucesso do programa Anel de Integração, deve ser absorvida e financiada pelo Estado. A Folha tentou ouvir as concessionárias mas, em virtude do horário, não conseguiu.