Valmir Denardin
De Foz do Iguaçu
A Penitenciária Regional de Ciudad del Este, no Paraguai, registrou anteontem a segunda rebelião de presos em uma semana. Entre os 507 detentos da penitenciária, estão 97 brasileiros, metade deles entre 16 e 18 anos – pelas leis paraguaias, a responsabilidade penal começa aos 16 anos. Construído para abrigar 225 pessoas, o prédio está superlotado.
A rebelião de anteontem foi um protesto contra a transferência de 23 presos para o presídio de segurança máxima de Emboscada, na região de Assunção, capital paraguaia.
Esses detentos são acusados de ter iniciado a rebelião do último dia 28, quando denunciavam maus-tratos, superlotação, falta de assistência jurídica e demora no julgamento dos processos. Eles exigiam a saída do diretor do presídio, Geraldo López Benegas, que se manteve no cargo.
Entre os transferidos anteontem estão três brasileiros: Carlos Alexandre de Godoi, Antônio Carlos Alves da Silva e Renato Pereira Gonçalves. Nas duas rebeliões, não houve feridos e nem foram registradas fugas, segundo a Polícia Nacional do Paraguai.
O motim de anteontem foi controlado em menos de uma hora, depois que a Polícia Nacional invadiu a penitenciária. Ontem, a segurança no local foi reforçada. Representantes de entidades de Defesa dos Direitos Humanos de Foz do Iguaçu devem ir hoje ao presídio para verificar a situação dos presos brasileiros.