|
  • Bitcoin 124.919
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2058
Londrina

GERAL

m de leitura Atualizado em 06/07/2022, 15:50

Butantan cria comitê para estudar produção de vacina contra varíola dos macacos

A baixa capacidade de produção da vacina para barrar a transmissão do vírus preocupa especialistas

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 06 de julho de 2022

Isabela Palhares – Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

São Paulo - O Instituto Butantan, de São Paulo, criou um comitê técnico para estudar a produção de vacinas contra a varíola dos macacos. Segundo o órgão, a decisão ocorre por haver "iminência de um possível surto da doença". 

A portaria de criação do comitê no Instituto Butantan diz que "se nota uma crescente incidência de casos e surtos relatados, o que está levantando preocupações sobre a disseminação futura da doença" A portaria de criação do comitê no Instituto Butantan diz que "se nota uma crescente incidência de casos e surtos relatados, o que está levantando preocupações sobre a disseminação futura da doença"
A portaria de criação do comitê no Instituto Butantan diz que "se nota uma crescente incidência de casos e surtos relatados, o que está levantando preocupações sobre a disseminação futura da doença" |  Foto: Carl de Souza/AFP
 

 A portaria de criação do comitê no Instituto Butantan diz que "se nota uma crescente incidência de casos e surtos relatados, o que está levantando preocupações sobre a disseminação futura da doença". 

 O comitê, formado por nove especialistas, tem como atribuições assessorar a entidade para uma "eventual produção da vacina". Eles vão conduzir estudos e propostas sobre a viabilidade da produção. 

LEIA TAMBÉM 

+ Sesa confirma segundo caso de varíola dos macacos no Paraná 

+ Londrina tem primeiro caso suspeito da varíola dos macacos 

 A baixa capacidade de produção da vacina para barrar a transmissão do vírus é um aspecto que preocupa especialistas. 

 A OMS (Organização Mundial da Saúde) pediu na sexta-feira (1º) uma ação urgente na Europa para conter a propagação da varíola dos macacos. A entidade, contudo, decidiu ainda não classificar a varíola dos macacos como emergência sanitária global.  

Um dos pontos ainda em avaliação pela OMS é como o vírus se propagou tão rápido em diferentes países - fora da África, onde a doença é endêmica, esse é o maior surto já visto.  

No Brasil, o primeiro caso no Brasil foi registrado em 8 de junho, em São Paulo, em um homem de 41 anos que viajou para Espanha e Portugal. 

Como não há vacinas no país, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que a pasta estava em contato com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) para avaliar compras de doses. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1